ESTUPRO DE VULNERÁVEL

Autor de estupro a menina com microcefalia contínua em liberdade; família quer justiça

O estuprador é o cuidador da criança e continua em liberdade, sem punição


O estupro de vulnerável teria ocorrido dentro da escola

O estupro de vulnerável teria ocorrido dentro da escola Foto: Montagem Piauí Hoje

A família da adolescente M.E.T.P.G,, de 13 anos,  vítima de estupro no Escolão do Mocaminho, Zona Norte de Teresina, pede justiça. A garota é portadora de microcefalia e atrofia cerebral e foi alvo de crueldade dentro da própria escola onde estuda. Segundo a família, o suspeito do crime é o cuidador, um técnico em enfermagem capacitado para auxiliar alunos com deficiência. Apesar de identificado, o suspeito continua em liberdade.

A denúncia do estupro foi feita há 7 dias, em reportagem do portal Piauí Hoje.Com. Nesta quarta-feira (25) o portal conversou com uma das tias da menina. Ela pediu para preservar a identidade da família. A servidora pública de iniciais  J.S. relata que toda a família está desesperada e bastante abalada, sem ao menos ter como se consolar devido ao isolamento social.  J.S. revelou que há grande possibilidade de outras crianças terem sido vítimas do estuprador. 

"Ele [cuidador] não agiu sozinho e a minha sobrinha não foi a única vítima dele. O diretor da escola não quer falar nada, mas amanhã ele vai prestar depoimento na Delegacia de Proteção à Criança e Adolescente (DPCA). É estranho tudo isso! Como é que o cuidador tirava a  M.E.T.P.G de dentro da sala de aula no início da tarde e levava ela de volta no final da aula e ninguém achava isso estranho? A escola é integral [Escola de Tempo Íntegral] e de manhã ela é acompanhada por uma cuidadora. A tarde é esse homem que a gente nem sabia", revela J.S.

A família percebeu que M.E.T.P.G, foi violentada no dia 18 de março, último dia de aula devido à pandemia do novo coronavírus. A mãe da adolescente foi dar banho nela e viu que os seios da garota estavam feridos. Em seguida ela percebeu que a região genital também estava lesionada.

"A  M.E.T.P.G, já vinha dando sinais e a gente nunca quer acreditar, a gente não enxergava o que estava acontecendo. Já tinha ferimento na região íntima dela antes, mas como ela menstruou recentemente e passou a usar absorvente, a mãe dela levou ao médico imaginando que seria alergia ao absorvente, portanto a menina não deixou ser examinada pelo médico. Ela gritava e não queria que ninguém tocasse nela".

A família acredita que  M.E.T.P.G,, vinha sendo estuprada desde o início do ano letivo 2020 e foram os próprios colegas de classe da garota ajudaram a família a identificar o agressor. "A minha sobrinha tem dificuldade de falar devido ao problema de saúde dela. Ela mudou o comportamento, ela era carinhosa, grudenta, gostava de abraçar e de repente ficou agressiva e não queria que a gente desse mais banho nela. Quando percebemos tudo, jamais imaginamos que seria na escola e então ela falava de um monstro que pegava ela na escola. A mãe foi até a escola para conversar com a cuidadora e lá os amiguinhos falaram que a cuidadora só ficava com minha sobrinha na parte da manhã e a tarde era um homem quem ficava e sempre a retirava da sala de aula. Foi ai que a ficha caiu", detalha J.S.

No mesmo dia, a mãe da vítima, a vigilante D.T.P.S. registrou um Boletim de Ocorrência (B.O) na Central de Flagrante de Gênero. No primeiro depoimento à polícia, a mãe disse que após perceber as lesões no corpo da filha, passou a insistir para que ela relatasse o que houve. A menina disse que um homem a retirava de dentro da sala de aula e a levava para uma casinha. De acordo com a mãe, a "casinha" seria uma local dentro da escola e onde teria ocorrido a sequência de abusos sexuais contra a adolescente.                

Na quinta-feira (19), por volta das 23 horas, a família levou a menor ao Hospital Unimed Ilhotas para avaliação médica, onde foi solicitado exames ao Serviço de Atenção à Mulheres Vítimas de Violência Sexual (SAMVIS), da Maternidade Dona Evangelina Rosa. O laudo realizado no Samvis apontou que a garota foi estuprada, pois havia lesões ulceradas em genitália.  Atualmente, a menina toma medicações contra agentes causadores de Doenças Sexualmente Transmissível. A família alega que a menina contraiu sífilis.  


A vítima relatou o caso à psicóloga e diante da dificuldade em comunicação da menina, a profissional deu a ela bonecas para entender o que aconteceu. No final, a psicóloga afirmou que a adolescente foi estuprada e que a vítima está bastante traumatizada. Há indícios ainda de que a menina era amarrada e dopada. Na conversa com a psicóloga, a menina disse ainda que o agressor dava a ela algo para tomar.

M.E.T.P.G precisa de acompanhamento psicológico para superar o momento de dor, mas devido a pandemia de coronavírus, não está sendo possível realizar o tratamento. A família também está ainda mais magoada pelo fato de não poder ficar todo junto neste momento em decorrência do isolamento social. 

"É muito doloroso tudo isso. A gente não consegue tocar no assunto e a gente nem pode se abraçar, consolar um ao outro. Está todo mundo sem conseguir dormir, tomando remédio para ver se consegue e ainda assim tá muito difícil. Não conseguimos evitar que essa coisa horrível não acontecesse e agora o que queremos é justiça, que os responsáveis por isso paguem e que mais ninguém possa ser vítima deles", desabafa a tia. 

ESCOLA CALADA

A família apurou que há pelo menos três denúncias de estupros ocorridos dentro da escola e que até agora as famílias não tiveram respostas. Quando ficaram sabendo do caso, ex-alunos se manifestaram dizendo que sofreram agressões e assédios por parte de professores e funcionários do Escolão do Mocaminho. 

A Secretaria Municipal de Educação (Semec), recebeu a família de M.E.T.P.G e disse apenas que vai ajudar na investigação. A direção da escola não se manifestou. "Não tomaram nenhuma providência até o momento e a gente não vai deixar ser apenas mais um caso de estupro no Escolão do Mocambinho", disse J.S. 

INVESTIGAÇÃO 

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), que ainda não colheu nenhum depoimento. A mãe da vítima chegou a prestar depoimento, mas devido a um problema técnico na delegacia, não foi possível armazenar o relato e ela terá que falar novamente. 

O diretor do Escolão do Mocambinho vai depor nesta quinta-feira (26). A delegada Camila Miranda, que está à frente do caso, já pediu a prisão do suspeito e aguarda a Justiça expedir o mandado para prendê-lo.  A preocupação da família é caso o agressor fuja e fique impune do crime bárbaro que cometeu contra a menor.

A Polícia Civil segue investigando o caso e tem até 30 dias para concluir o inquérito. Imagens de câmeras de segurança da escola podem auxiliar na investigação. 

Primeiro boletim de ocorrência registrado na Central de Flagrantes

Segundo boletim de ocorrência registrado na DPCA

Próxima notícia

Dê sua opinião: