INSEGURANÇA

Bandidos promovem onda de arrastão na UFPI e roubam mais de 40 celulares dos estudantes

A UFPI retornou as aulas presenciais na segunda-feira (20)


Parada de ônibus na UFPI

Parada de ônibus na UFPI Foto: Samuel Brandão

As aulas presenciais na Universidade Federal do Piauí (UFPI) retornaram na segunda-feira (20) e os alunos já estão apavorados com a onda de arrastões que vem acontecendo nas paradas de ônibus do campus Ministro Petrônio Portella, no bairro Ininga, na zona Leste de Teresina. Criminosos armados levaram pelo menos 40 celulares de alunos nos dois primeiros dias de aula. 

De acordo com informações de estudantes, os assaltos estão acontecendo por volta das 15h, 19h e 21h, enquanto os alunos aguardam o ônibus nas paradas. Nas redes sociais, os alunos denunciam os assaltos e cobram por segurança na instituição. 

De acordo com os relatos, os assaltos aconteceram nas paradas do Centro de Tecnologia (CT), Centro de Ciências Humanas e Letras (CCHL) e o Centro de Ciências da Educação (CCE).

Apesar de vários aparelhos roubados, o delegado Ademar Canabrava, titular do 12º Distrito Policial, informou que apenas um estudante registrou Boletim de Ocorrência. 

A UFPI divulgou uma nota de esclarecimento informando que houve reforço das ações da Divisão de Vigilância, com atuação de 186 profissionais, entre vigilantes desarmados e armados, efetivos e terceirizados. Em horários de pico, as ações se intensificam com duas viaturas e três motos que fazem rondas no campus. Realizou-se, inclusive, ajuste de horários de atuação dos vigilantes para melhor atender às necessidades dos públicos-alvo no retorno presencial.

NOTA DA UFPI

A Universidade Federal do Piauí (UFPI) informa que realizou um planejamento estratégico que abrange todos os setores para garantir o retorno presencial seguro à comunidade acadêmica e que o novo semestre letivo teve início na segunda-feira, dia 20, sem relatos de anormalidades e contratempos.

No que tange à área de segurança, houve reforço das ações da Divisão de Vigilância, com atuação de 186 profissionais, entre vigilantes desarmados e armados, efetivos e terceirizados.

Em horários de pico, as ações se intensificam com duas viaturas e três motos que fazem rondas no campus. Realizou-se, inclusive, ajuste de horários de atuação dos vigilantes para melhor atender às necessidades dos públicos-alvo no retorno presencial.

A Administração Superior da UFPI também solicitou à Polícia Militar rondas mais frequentes na área do campus, colaboração sempre valorizada pela atual gestão da Universidade. A UFPI lamenta o ocorrido e reforça que continuará atuando em prol da segurança da comunidade acadêmica.


Próxima notícia

Dê sua opinião: