Marketing News

Vale a pena investir em fundos imobiliários?

Felizmente, existem opções de investimentos para todos os perfis.


Investimentos

Investimentos Foto: Imagem: Freepik

Que investir na previdência privada é uma ótima ideia, você já sabe. A modalidade de aposentadoria em questão se tornou muito desejada desde a aprovação da Reforma da Previdência, e não dá indícios de que deixará de ser relevante para o trabalhador brasileiro.

Mas e sobre os fundos imobiliários, o que você sabe? Neste artigo, falaremos um pouco mais sobre esta modalidade de investimento, além de respondermos à pergunta do enunciado. Confira!

Fundos Imobiliários: o que são?

Os fundos de investimento imobiliários, também chamados FIIS, são compostos por um aglomerado de investidores que desejam investir diretamente no setor imobiliário.


Os fundos imobiliários são uma opção interessante para o investidor que não deseja utilizar o seu patrimônio para construir um imóvel ou para comprá-lo e, então, reformá-lo. Isso acontece porque, em vez de alocar orçamento para as ações já mencionadas, o investidor pode comprar cotas de imóveis na bolsa de valores.


Assim, na prática, é possível comprar “partes” do imóvel e receber dinheiro por isso, sem ser necessário efetivamente investir na compra de um prédio ou similar (o que seria, muito possivelmente, bem mais caro). 


Uma das maiores vantagens dos FIIs está no fato de que o gestor é responsável pela organização do fundo, além de organizar as burocracias que, para muitos, tornam o processo de investir cansativo e demasiadamente longo. Os FIIs também ajudam na diversificação da carteira, o que é sempre uma boa escolha.

Veja tambem. Como saber qual é o meu perfil de investidor?


Há, também, um detalhe: os fundos distribuem dividendos com certa regularidade, o que definitivamente é um incentivo.

Características e categorias de fundos

Para que os fundos possam funcionar, existem algumas regras básicas: é preciso que haja pelo menos 50 cotistas e que nenhum detenha mais do que 10% do fundo. Além disso, 95% do resultado semestral deve ser distribuído.


Os FIIs são isentos de Imposto de Renda, o que é excepcional, e devem estar obrigatoriamente listados na bolsa de valores.


Com relação aos tipos: eles variam conforme os ativos que predominam na carteira do fundo. Conheça as categorias de FIIs existentes a seguir:

Fundos de recebíveis

Conhecidos como fundos de papel, são compostos principalmente por títulos relacionados ao mercado imobiliário, como as famosas LCIs.


Eles têm um retorno bom, especialmente quando comparados às aplicações de renda fixa mais comuns, mas podem também ter um certo grau de risco. Assim, não são boas opções para investidores de perfil conservador.

Fundos de renda

Conhecidos popularmente como fundos de tijolo, nessa categoria estão os investimentos focados em imóveis físicos. 


É um ativo de renda variável. Geralmente, pessoas que optam por eles alocam os seus recursos em galpões, prédios, agências bancárias, shoppings, hotéis, hospitais, etc.


As construções podem ser em espaços urbanos ou rurais. Da mesma maneira, podem ser comerciais ou residenciais.


Não é um investimento comum para iniciantes. Ao mesmo tempo, não é um investimento com grandes oscilações de preço, o que dá alguma segurança para quem deseja apostar no setor imobiliário.

Fundos de desenvolvimento

Com risco mais alto, os fundos de desenvolvimento implicam em alocar recursos para projetos imobiliários. Assim, o lucro vem com a venda ou arrendamento dos imóveis prontos. É, como se pode ver, semelhante ao que ocorre com as empresas de construção civil.


Apesar de ser um investimento para investidores arrojados, esse FII não tem alavancagem. Ou seja: para fazer os acordos financeiros, é utilizado apenas o dinheiro que já há em mãos. Isso costuma gerar um pouco mais de segurança.

Fundos de fundos

Destinados à aplicação em empreendimentos imobiliários. Esse investimento inclui a obtenção de títulos relacionados ao mercado imobiliário, certificados de potencial adicional de construção, certificados de recebíveis imobiliários, entre outros.

Vale a pena investir em FIIs?

Recentemente, houve uma discussão calorosa sobre a possibilidade de taxação dos dividendos dos Fundos. Se a proposta tivesse ido adiante, seria necessário rever as vantagens e desvantagens dos FIIs.


Como este não foi o caso - e os dividendos continuam isentos de taxação por parte do governo -, sim, os FIIs são uma boa opção para quem deseja diversificar a sua carteira de investimentos.


Antes de fazer uma escolha, lembre-se de verificar as taxas de vacância, as categorias de contratos de locação, os preços das cotas e as taxas aplicadas pela gestão dos fundos.

Próxima notícia

Dê sua opinião: