Secretaria de Saúde faz alerta sobre os cuidados com as doenças respiratórias

Foram 188 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e 146 para Síndrome Gripal (SG).


Vacinação

Vacinação Foto: Mais Goiás

Durante e após ao período chuvoso, é comum a ocorrência de doenças respiratórias, especialmente as síndromes gripais e as agudas graves. Cuidados básicos, como higienização das mãos, uso de álcool gel, além da imunização para o público prioritário são ações que podem evitar a disseminação de novos casos.

Os dados da Secretaria de Estado da Saúde, da Coordenação Estadual de Epidemiologia, mostram que somente esse ano, foram 188 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e 146 para Síndrome Gripal (SG). Desses, quatro evoluíram para óbito.

A SRAG se manifesta com tosse seca e coriza, dor muscular, de cabeça e na garganta, febre alta e cansaço além de dificuldade para respirar. O quadro sintomático evolui rapidamente, em questão de dias, especialmente entre as crianças.

O superintendente de Atenção à Saúde, Herlon Guimarães, orienta que “ao detectar esses sintomas, os pais ou responsáveis pelas crianças devem procurar atendimento no serviço de saúde o mais breve possível e seguir corretamente a prescrição médica. Se a criança for liberada para o tratamento em casa e houver piora do quadro clínico, elas devem retornar para serem reavaliadas quanto aos critérios de SRAG ou outros sinais de agravamento”. A orientação também se aplica aos idosos, gestantes e puérperas, assim como aos pacientes que apresentam outras co-morbidades.

A prevenção é a estratégia mais adequada para evitar novos casos, por isso a Secretaria de Estado de Saúde elenca as cinco principais ações de prevenção aos vírus ou outras doenças oportunistas: 

    ⁃    lavar as mãos com água e sabão, especialmente, antes das refeições, após tossir, espirrar ou quando for pegar em criança; 
    ⁃    não levar as mãos sujas aos olhos, nariz e boca; 
    ⁃    além de não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal dos adultos com as crianças;
    ⁃    cobrir a boca quando for tossir ou espirrar; 
    ⁃    limpar o nariz com lenço descartável;
    ⁃    evitar a exposição de crianças em locais fechados de grandes aglomerações, como shoppings e centros comerciais sem ventilação.

“Esses locais reúnem características naturais para a permanência do vírus e, dependendo da imunidade da criança, o quadro pode evoluir para uma SRAG”, alerta Herlon.

Campanha de Vacinação

A 21ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza deve vacinar, somente no Piauí, 894.873 pessoas. A campanha segue até o dia 31 de maio, sendo que o dia 4 de maio será o Dia D, com mobilização em todos os municípios.

A população deve ficar atenta quanto ao público prioritário da vacinação contra influenza, que é formado por:
- Crianças de seis meses a menores de seis anos (5 anos, 11 meses e 29 dias) 
- Gestantes 
- Puérperas
- Trabalhador de Saúde
- Professores
- Povos indígenas
- Indivíduos com 60 anos ou mais de idade 
- Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas
- População privada de liberdade e funcionários do sistema prisional
- Pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, independente da idade. É obrigatória apresentar a prescrição médica.

Este ano, a Campanha tem duas novidades: uma, a idade da criança foi estendida para menor de 6 anos de idade. Até o ano passado, era menor de 5 anos. Além disso, a campanha será em duas etapas, sendo que na primeira, de 10 a 19 de abril, serão atendidas prioritariamente as crianças e gestantes. 
 

Confira o calendário de vacinação contra a Influenza

De 22 de abril a 31 de maio 
Todos os grupos prioritários 

No período, também será feita a atualização da Caderneta de Vacinação conforme a situação vacinal encontrada e as indicações do Calendário Nacional de Vacinação. 

Fonte: Governo do Piauí

Próxima notícia

Dê sua opinião: