COVID-19

Presidente do Sindicato dos Médicos fiscaliza Hospital de Campanha do Estado e se preocupa

O Hospital de Campanha do Ginásio Verdão está em fase de finalização e disponibilizará 103 leitos em sua totalidade, sendo 90 clínicos e 13 de estabilização


Presidente do sindicato dos médicos Samuel Rego

Presidente do sindicato dos médicos Samuel Rego Foto: Divulgação

Diante o enfrentamento à Covid-19 e preocupado com os atendimentos que os médicos estão lidando em todo o Piauí, o Sindicato dos Médicos do Estado do Piauí (SIMEPI), representado pelo seu presidente, Dr. Samuel Rêgo, esteve fiscalizando as instalações do Hospital de Campanha do Verdão e fazendo questionamentos pertinentes, relacionados à segurança dos médicos e demais profissionais que estarão na linha de frente da pandemia. A maior preocupação é o atraso na entrega para atendimento da população, diante dos R$ 5.100.000,00 investidos.

Em mãos com o relatório do Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE), onde o mesmo aponta falhas e penalidades na execução da obra do HCVerdão, Dr. Samuel Rêgo se preocupa com a possibilidade do hospital não ficar pronto a tempo para atender os pacientes que dele precisarem.

"Fiscalizando a obra deste Hospital de Campanha, vimos que houve algumas melhorias após o relatório do TCE-PI, como a troca das camas e dos aparelhos de ar condicionado. Sabemos que os R$ 5.100.000,00 serão investidos em uma estrutura temporária, mas defendemos que esses recursos deveriam ser empregados em estruturas permanentes, para que pós-pandemia continuasse tendo utilidade para toda a sociedade. A empresa contratada apresenta irregularidades que causam dúvidas sobre a sua confiabilidade nesta obra", comenta Samuel Rêgo.

O Hospital de Campanha do Ginásio Verdão está em fase de finalização e disponibilizará 103 leitos em sua totalidade, sendo 90 clínicos e 13 de estabilização, divididos em quatro blocos (A, B, C e D). Com atraso, a previsão do seu funcionamento era na primeira semana de maio.

"Queremos a garantia para nossos trabalhadores do pagamento referente ao adicional de insalubridade de 40% a todos os médicos do Estado que estão em atividade, o que é justo e o Governador Wellington Dias, junto com o secretário Florentino Neto, não podem deixar de lado. A necessidade dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) de qualidade, para garantir a segurança e saúde desses profissionais também é essencial. Ficaremos diligentes e trabalharemos de forma incansável", conclui Samuel Rêgo, presidente do SIMEPI. 


Fonte: Leal Comunicação

Próxima notícia

Dê sua opinião: