Proa & Prosa

Clodoaldo em folhetim


Livro

Livro Foto: Divulgação

Um dos fundadores das academias de letras do Maranhão, e do Piauí, o piauiense Clodoaldo Freitas escreveu páginas e páginas e assim constituiu um relevante contributo literário para as letras pátrias –tal se costumava dizer.

Ele viveu no tempo-calendário da passagem do século XIX para o XX, literalmente marcado, neste trópico, pela “secularização” mais acelerada da cultura, do jeito de elaborar a vida social.

Sobre o Freitas escritor, o Brasil culto ganhou, há pouco, a partir de Teresina, um livro que traz para atualidade mais estudos tarimbados sobre a sua relativamente diversa lavra.

Trata-se da obra O Folhetim de Clodoaldo Freitas: ensaios de crítica literária, de Maria do Socorro Rios Magalhães, da Ufpi e da Uespi, na qual inscreve uma viagem no texto folhetinesco do festejado autor, examinando as linhas constitutivas do ato narrativo.

Entram no radar-especular de Socorro, os livros clodoanos Os Bandoleiros, O Palácio das Lágrimas, Memórias de Um Velho, O Bequimão, Por Um Sorriso, Coisas da Vida, Um Segredo de Família, e os Burgos. 

Lula, eu, o fusquinha

Teresina surpreende Dallari

A governadora

De cada um desses títulos-textos, e como se disse, neles examinados e identificados respectivos elementos escriturais-dinâmicos de sua forja, aponta ela a essência da mensagem que cada um contém e exprime. Desencrava deles – parafraseio - o clodo/homem e sua circunstância.

Socorro o faz com o cuidado da cirurgiã, que abre o corpo vivo, sonda o ritmo das pulsações, capta os recônditos das causas manifestas e seus nexos com o mundo de vida e relações com a externalidade. No caso, o que pulsa da vida atribulada, de muitos atravessamentos, isto é, o mundo de diversos enredos de Freitas.

De Os Bandoleiros, Socorro notará, e anotará criticamente, a “representação da vida política e social no norte do Brasil”, tendo presente que seu autor imergiu com bastante profundidade no corpo social dessa região, dado que serviu, na esfera jurídica, aos estados do Piauí, Maranhão e Pará, em todos enchendo as folhas-jornais de sua prosa inquieta, leituras da realidade a contrapelo de certa expectativa dos conformados.  

Em O Palácio das Lágrimas e O Bequimão, é-nos ofertado pela autora um instigante exame da elaboração literária nas dobras que distinguem-assemelham a criação ficcional e o discurso historiográfico stricto sensu. Freitas, um estudioso da história, dela entendendo-se um sujeito, mas contornando, pelo jorro escrevente, os modos de manifestar suas apreensões, às vezes convicções.

Socorro faz um balizamento bem fundado sobre a memória se inventando ficção, a partir de sua leitura de Memórias de Um Velho. Quem é o narrador, na vida real e na ficção? Ela clareia para nós – nessa e na obra toda de Freitas, que estudou – as fontes referenciais dele, lampejos de intertextualidade com a literatura do tempo em que viveu, seus enredos e também desenredos.

Literatura é divertimento. É criação das linguagens que há de expressar a beleza da arte de escrever. Literatura é instrução. A recepção do texto literário traduz um consumir que se faça paixão e algum tipo de arrebatamento. Ela percebe mais que apenas matéria indiciária, disso, no conjunto que estuda. E pelos mecanismos de intelecção e referenciamento próprios do que vem a ser a crítica literária, Socorro       elabora sua própria “biografia” do fundador da Academia Piauiense de Letras.

A autora extrai do autor-objeto de pesquisa – das linhas e entrelinhas dos folhetins e aparentados gêneros –, um perfil com mais nuances, além de traços avivados do que já se evidenciou e disse a propósito do conjunto da vida real de Freitas, já muito estudada. E da prosa que lavrou, idem, agora enriquecida com mais uma e mais que mais só uma obra.

O Folhetim... – livro com agradável feição – é da Cancioneiro Editora, que comparece ao cenário das letras com boas escolhas e refinamento.

Socorro Magalhães é a titular atual da Cadeira 6 da APL.      

Fonseca Neto

Fonseca Neto

FONSECA NETO, professor, articulista, advogado. Maranhense por natural e piauiense por querer de legítima lei. Formação acadêmica em História, Direito e Ciências Sociais. Doutorado em Políticas Públicas. Da Academia Piauiense de Letras, na Cadeira 1. Das Academias de Passagem Franca e Pastos Bons. Do Instituto Histórico e Geográfico do Piauí.
Próxima notícia

Dê sua opinião:

Sobre a coluna

Fonseca Neto

Fonseca Neto

FONSECA NETO, professor, articulista, advogado. Maranhense por natural e piauiense por querer de legítima lei. Formação acadêmica em História, Direito e Ciências Sociais. Doutorado em Políticas Públicas. Da Academia Piauiense de Letras, na Cadeira 1. Das Academias de Passagem Franca e Pastos Bons. Do Instituto Histórico e Geográfico do Piauí.

Fique conectado

Inscreva-se na nossa lista de emails para receber as principais notícias!

*nós não fazemos spam

Enquete