ESPECIALIDADE

Fonoaudióloga da dicas para ter sua voz como aliada no crescimento profissional

Segundo dados da Academia Brasileira de Laringologia e Voz (ABLV) mais de 70% da população ativa tem na voz o instrumento de trabalho mais exigido


Dra. Edileusa Martins

Dra. Edileusa Martins Foto: Divulgação

No mundo imediatista em que vivemos, muitas vezes, a primeira impressão é a que fica. Assim, ter poder de persuasão, confiança e clareza é imprescindível. Porém, esses fatores não dependem apenas de conhecimento, mas também da entonação. Quando pensamos na voz como instrumento de trabalho, logo nos lembramos de profissionais como cantores, atores, professores, palestrantes, apresentadores vendedores, que as usam como uma das principais ferramentas em suas áreas de atuação.

Segundo dados da Academia Brasileira de Laringologia e Voz (ABLV) mais de 70% da população ativa têm na voz o instrumento de trabalho mais exigido, mesmo que ela não seja o foco de suas atividades.

Piauí possui estoque de “kit intubação”, mas aumento de casos pode reduzir estoque

Sesapi explica sobre fluxo de gestão de leitos em relação à Covid-19

HGV amplia leitos de UTI para atendimento de pacientes graves com Covid-19


Por isso mesmo, é preciso que despertemos para o fato de que, para que possamos nos comunicar de maneira clara, efetiva e assertiva é preciso muito mais que conhecimento técnico ou palavras adequadas.

A fonoaudióloga Dra. Edileusa Martins, orienta:

“Evite tomar líquidos gelados, mas beba bastante água. Tenha saúde bucal e dentária em dia. Evite o cigarro, saiba que esse é um dos grandes inimigos da voz, descansar a voz depois de usa-lá por muito tempo, evite café em excesso. Cuidado com gritos fortes que, além de machucarem as pregas vocais, podem deixá-lo rouco por vários dias. Nunca fale mais alto que o seu tom de voz normal por muito tempo, se necessário, use microfones”, afirma.

“É importante ressaltar que as recomendações, embora gerais, devem ser individualizadas e adaptadas da maneira que couber a cada um”, destaca Edileusa. “O importante é respeitar os limites de cada profissional, agir na direção de ganhar resistência muscular e vocal para que a disfonia dê lugar a uma voz equilibrada.”

Fonte: Caroline Sayra

Próxima notícia

Dê sua opinião: