IMIGRAÇÃO

Pai e filha morrem afogados tentando entrar ilegalmente nos EUA

A imagem chocou o mundo e levantou o debate sobre a situação dos imigrantes


Pai e filha morrem ao tentar atravessar a fronteira

Pai e filha morrem ao tentar atravessar a fronteira Foto: © DR

Um homem de 25 anos e a sua filha de quase dois anos morreram afogados tentando entrar nos Estados Unidos, atravessando o rio Bravo, que separa Ciudad Juárez, no México, de El Paso, nos Estados Unidos.

Óscar Alberto Martínez Ramírez e a filha Valeria perderam a vida ao serem arrastados pela correnteza de um rio quando tentavam ultrapassar aquele que seria o último obstáculo antes de chegarem à terra pretendida.

Segundo o 'El Salvador', Óscar, Valeria e a mãe da criança, Tania, decidiram mudar para os Estados Unidos em abril, por não encontrarem emprego no seu país. Procuravam assim uma vida melhor.

Para isso saíram do México onde esperavam obter resposta ao pedido de asilo nos EUA, onde o homem já havia arranjado emprego. Como o processo demorou mais do que o esperado, em desespero, a família tentou atravessar o rio para chegar ao seu destino.

Oscar e Valeria não resistiram e acabaram morrendo, enquanto Tania, conseguiu ser resgatada. Os corpos de pai e filha foram encontrados a alguns quilômetros da ponte de Matamoros, abraçados. Uma imagem impressionante e que para muitos representa as consequências trágicas da política de imigração de Donad Trump. 

Brian Klaas@brianklaas

“Óscar Alberto Martínez Ramírez, frustrated because the family from El Salvador were unable to present themselves to U.S. authorities and request asylum, swam across the river with his daughter, Valeria.” They didn’t make it. This photo is so, so haunting. https://apnews.com/2f8422c820104d6eaad9b73d939063a9 …

289

A foto está se tornando a imagem que evidencia o drama que vivem os cerca de 500 mil centro-americanos que a cada ano tentam atravessar o México para chegar ao país de Donald Trump, conhecido como a terra dos sonhos.  

Fonte: Noticias ao Minuto

Próxima notícia

Dê sua opinião: