NEGOCIAÇÃO

ADH inicia campanha de renegociação de dívidas com mutuários inadimplentes

Programa é destinado aos mutuários inadimplentes dos conjuntos habitacionais Jacinta Andrade, Paulo de Tarso I e II, Parque Brasil I,II,III e Santa Maria


Negociação

Negociação Foto: Divulgação

A Agência de Desenvolvimento Habitacional (ADH) iniciou, na segunda-feira (10),  um programa de renegociação de dívidas destinado aos mutuários inadimplentes dos conjuntos habitacionais Jacinta Andrade, Paulo de Tarso I e II, Parque Brasil I,II,III e Santa Maria.

Segundo a diretora-geral da ADH, Gilvana Gayoso, é uma oportunidade imperdível para quem está com prestações atrasadas há mais de quatro meses, além de poder renegociar a dívida do saldo devedor.

Defensoria Pública retoma atendimentos presenciais por agendamento na capital e interior

Semec abre matrículas para novos alunos no Ensino Fundamental

Sobe para 452 o número de famílias desabrigadas em Teresina devido aos alagamentos

“O programa vai ajudar na renegociação de dívidas de contratos imobiliários nos residenciais Jacinta Andrade, Paulo de Tarso, Parque Brasil e Santa Maria. Porém, inicialmente, o atendimento está priorizando inicialmente o mutuário do Jacinta Andrade. Quem está com dificuldades de honrar os pagamentos de suas prestações, o momento de renegociar a dívida, é agora”,  explica Gilvana Gayoso.

O programa tem por base, a Lei de nº 7.502/2021. “A quitação do débito terá desconto de cem por cento nos acréscimos legais decorrentes de atraso, e saldo devedor permanecendo no plano inicial, que poderá ser parcelado”, declara a diretora.

De acordo com a nova Lei, o reparcelamento do valor do saldo devedor poderá ser em até 300 meses com desconto de 50% nos acréscimos legais. “A renegociação da dívida deve ser requerida somente pelo mutuário ou por procurador com procuração pública”, revela Gilvana.

O atendimento ao mutuário está ocorrendo no turno manhã, no primeiro andar da ADH, na Coordenação de Atendimento e Cobrança (CAC).

Equipe da ADH faz atendimento de negociação de débito

Fonte: Ccom

Próxima notícia

Dê sua opinião: