PANDEMIA

Número de vítimas da Covid-19 cresce muito rápido no Piauí e exige mais isolamento

Projeções mostram que se as medidas de isolamento forem relaxadas o sistema de saúde do estado pode entrar em colapso


Leitos de UTI

Leitos de UTI Foto: Reprodução

Em apenas quatro dias o número confirmado de pessoas infectadas pelo novo coronavírus no Piauí subiu 61,7%. De 19 a 23 de abril, o número oficial de portadores do vírus passou de 158 para 256, o que significa 98 casos a mais. Pelo menos 16 pessoas já morreram por causa da Covid-19 no estado.

Entre o dia 19 de março, quando foram confirmados os três primeiros casos, e 19 de abril, quando a soma chegou a 158, a doença avançou 4.800% no estado, um número preocupante para qualquer pessoa, principalmente para as autoridade de saúde e governante responsável.

Os dados do Boletim Epidemiológico Covid-19, da Secretária de Saúde do Estado do Piauí - Sesapi, revelam que o crescimento da curva de contágio está muito rápido no estado e que a situação requer o engajamento de todos para conter a pandemia, porque as projeções feitas até agora indicam que o pico da pandemia ocorrerá em maio e junho, caso as medidas restritivas sejam relaxadas.

Por causa desse crescimento do número de infectados e também da falta de leitos suficientes para os pacientes em hospitais públicos, as medidas como isolamento social devem ser mantidas por pelo menos mais 30 dias, para evitar o colapso na rede de saúde, como está ocorrendo em pelo menos dez estados.

De acordo como Boletim da Sesapi, a o virose ataca a todos, de crianças recém nascidas e idosos. Até agora, a maioria dos mortos pela Covid-19 no Piauí é formada por homens (75%), por pessoas com idade entre 60 e 79 (50%) e por portadores de cardiopatias, incluindo hipertensos (52,17%) e diabético (30,43%).

O aumento do número de infectados pelo novo coronavírus no Piauí foi rápido. Os três primeiros casosí foram confirmados no dia 19 de março. Hoje, esse já foram contabilizados um total de 256.

Entre os primeiros casos de piauienses infectados com o novo coronavírus estava o de jornalista Marcelo Magno, apresentador da TV Clube, que chegou ser entubado na Unidade de Terapia Intensivo - UTI, de um hospital particular em Teresina. Ele venceu a doença e teve alta no dia 27 de março.

Já a primeira morte pela Covid-19 no Piauí ocorreu dia 27 de março. A vítima foi o prefeito de São José do Divino, Antônio Nonato Lima Gomes (PT), mais conhecido como Antônio Felícia, de 57. Dois dias antes de morrer ele esteve no hospital regional de Piracuruca, onde foi orientado a buscar tratamento em Teresina. Mas isso só ocorreu quando o estágio da doença se agravou.

No início da noite desta quinta-feira (23), o Boletim da Sesapi informou que foram confirmados mais 40 casos de Covid-19 e que foram registrados os primeiros casos da doença nos municípios de Água Branca, Castelo do Piauí, Luzilândia e Nazaré do Piauí.

Professor Jefferson Cruz: números para adoção de medidas

ISOLAMENTO E PROJEÇÕES

Também nesta quinta-feira (23), o  matemático e professor da Universidade Federal do Piauí (UFPI), Jefferson Cruz disse que as medidas como o isolamento social, adotadas pelo governo do estado evitaram pelo menos de 35 mortes e a contaminação de umas 1,8 mil pessoas pelo novo coronavírus.

De acordou com o professor, os números referentes à Covid-19 são bem maiores do que os existentes hoje, quando foram registrados oficialmente 256 casos e 16 óbitos desde o início oficial das medidas de controle e de combate à pandemia no Piauí, em 19 de março.

Jefferson Cruz é integrante do Grupo de Trabalho de Saúde do Comitê Gestor de Crise (CGC) da Universidade Federal do Piauí, criado em março para acompanhar a pandemia. Ele analisou o nível de contaminação do novo coronavírus no estado e fez projeções de como se dará o avanço de novas infecções nos próximos mêses.

O matemático considera acertada a decisão das autoridades de fecha escolas, repartições e lojas e outras atividades econômicas antes dos primeiros casos de Covid-19. Para ele, isso empurrou o pico da doença para o mês de agosto, quando a previsão era pra maio.

Segundo projeções do matemático, sem as medidas de isolamento, o Piauí teria hoje cerca de 2 mil casos confirmados, com mais ou menos 50 óbitos pela Covid-19.

Pelos cálculos de Jefferson, sem o isolamento social e outras medidas adotadas, o pico da doença ocorreria entre maio e junho, com 100 mil a 200 mil casos e entre 600 a 700 óbitos. Segundo ele, em Teresina seriam cerca de 30 mil casos confirmados, com algo em torno de 200 mortes.

“Fizemos essa estimativa baseados no protocolo da Organização Mundial de Saúde, que estima a quantidade de pessoas que podem ser infectadas por um indivíduo contaminado”, explica Jefferson.

O professor ressalta que, se o Piauí chegar entre esses 100 mil e 200 mil infectados, o sistema de saúde entrará em colapso, pois não haverá como atender todos ao mesmo tempo. "Caso as medidas de isolamento sejam mantidas, o pico da doença vai para agosto, dando tempo para que o sistema de saúde se prepare.

Essa preparação do sistema de saúde do estado já está em andamento, com a construção de hospitais de campanha para ampliação dos leitos que possam atender aos pacientes, confirme informações da Secretaria de Saúde do Piauí - Sesapi.

Ainda de acordo com as projeções do professor, mantendo o isolamento social da forma em que está, o Piauí deve registrar 20 mil casos em junho, cerca de 80% a menor que os 100 mil previstos sem o isolamento. Com isso, o número de óbitos também será bem inferior. Em Teresina, seriam entre 3 e 4 mil infectados.

Ainda de acordo com os dados do professor Jefferson Cruz, com isolamento parcial, haveria números intermediários. Não seriam os 20 mil com o isolamento e nem os 100 mil sem essa medida.

“Nesse caso, teríamos uma janela entre os dois extremos e é preciso saber como seria o comportamento da população em relação a cuidados, como distanciamento entre as pessoas e uso de máscaras e de álcool em gel, por exemplo”, diz o professor.

Boletim da Secretaria de saúde

Próxima notícia

Dê sua opinião:

Sobre a coluna

Luiz Brandão

Luiz Brandão

Luiz Brandão é jornalista formado pela Universidade Federal do Piauí. Está na profissão há mais de 35 anos. Já trabalhou em rádios, TVs e jornais. Foi repórter das rádios Difusora, Poty e das TVs Timon, Antares e Meio Norte. Também foi repórter dos jornais O Dia, Jornal da Manhã, O Estado, Diário do Povo e Correio do Piauí. Foi editor chefe dos jornais Correio do Piauí, O Estado e Diário do Povo. Atualmente é diretor de jornalismo do portal www.piauihoje.com

Fique conectado

Inscreva-se na nossa lista de emails para receber as principais notícias!

*nós não fazemos spam

Enquete