Câmara vota hoje orçamento de R$ 3,4 bilhões para PMT

Dess montante, 49,8% será aplicado em obras e ações de saúde e educação


Plenário da Câmara de Teresina

Plenário da Câmara de Teresina Foto: Piauihoje.com

A Câmara Municipal de Teresina vota nesta quarta-feira, o Orçamento da Prefeitura para 2019 antes do início do recesso de final de ano. A proposta, orçada em R$ 3 bilhões, contempla os diversos setores da administração pública, com prioridades para a saúde, educação e assistência social, que compreende mais da metade do valor da proposta. Desse total, perto de 1/3 é destinado às ações de saúde.

A proposta orçamentária prevê um incremento de 7% em relação ao orçamento de 2018 e prevê várias obras importantes, como a ponte sobre o Rio Poti, próximo ao Setor de Esportes da Universidade Federal do Piauí.

A Lei Orçamentária Anual estima a receita e fixa a despesa do Município de Teresina em R$ 3.472.656.000, sendo que 49,8% deverá ser aplicado apenas em saúde e educação. O prefeito Firmino Filho explica que serão R$ 1.610,2 bilhão de recursos ordinários do Tesouro e R$ 1.862,4 bilhão oriundos de outras fontes de recursos vinculados.

"No ano que vem deveremos ter cerca de R$ 290 milhões resultantes de operações de crédito, principalmente junto ao Banco Mundial. Um dos principais projetos que serão executados com esses valores é a segunda etapa do programa Lagoas do Norte, que compreende uma série de intervenções na região Norte da cidade. Também faremos a ponte da UFPI, o viaduto da Avenida Barão de Gurguéia e o prolongamento da Avenida Ulisses Marques", adiantou o prefeito.

Outros R$ 705 milhões serão destinados para obras como a Via Marginal Sul, requalificação urbana da Vila da Paz, implantação do Parque Floresta Fóssil, construção da segunda ponte na Avenida Poty, implantação do sistema BRT, entre outros.

"É importante ressaltar que avançamos na qualidade da gestão. Mesmo em um momento de crise como o que passamos e ainda estamos no início de uma recuperação, nós conseguimos organizar as finanças, evoluir na metodologia da arrecadação e gestão dos recursos captados juntos a organismos financeiros. Essa qualidade da gestão nos credencia a conseguir captações de recursos para investimento em obras importantes", destaca Firmino Filho.

O projeto de lei do Plano Pluri Anual, que também tramita na Casa Legislativa, está constituído de 34 programas, 206 metas e 296 iniciativas. Para os próximos três anos, o poder público deve dispor de R$ 10,1 bilhões para atingir esses objetivos.

Fonte: PMT

Próxima notícia

Dê sua opinião: