LEI

Legislação que permite o aborto voluntário na Argentina é assinada

Lei começa a valer depois de oito dias corridos. Decisão permite que mulheres façam aborto voluntário até a 14ª semana gestacional.


Multidão comemora decisão

Multidão comemora decisão Foto: AGUSTIN MARCARIAN/REUTERS

A Argentina publicou oficialmente, nesta sexta-feira (15/1), a lei nº 27.610, que permite a interrupção voluntária da gravidez. O decreto foi divulgado no Diário Oficial do país e entra em vigência após oito dias corridos desde a publicação.


O aborto voluntário havia sido legalizado no último dia 30 de dezembro, em decisão histórica. Em votação no Senado argentino, a proposta conseguiu 38 votos favoráveis, 29 contrários e uma abstenção.

Em um evento no Museu do Bicentenário na quinta-feira (14/1), em Buenos Aires, o presidente Alberto Fernández promulgou a lei que permite a interrupção da gestação até a 14ª semana da gravidez.

>> Papa Francisco e Bento XVI recebem vacina contra a Covid-19 no Vaticano

>>Câmara dos Estados Unidos aprova impeachment de Donald Trump



Assistência pós-aborto
Além de permitir a interrupção voluntária da gravidez, a lei garante atenção pós-aborto a todas as mulheres e pessoas com outras identidades de gênero capazes de gerar uma criança.

A legislação ainda define que todos que decidirem fazer o procedimento devem ter total atenção dos serviços de saúde, “sem preconceito”. Além disso, o decreto afirma que o estado deve prevenir a gravidez indesejada por meio de “acesso à informação, educação sexual integral e métodos contraceptivos eficazes”.

Caso a gestante já tenha passado da 14ª semana de gravidez, o aborto só será permitido em casos de violência sexual ou se houver risco de morte para a mulher.

Fonte: Metrópoles

Próxima notícia

Dê sua opinião: