COMPRAS

Servidor estadual terá cartão de crédito com juros mais baixos

Governador assinou decreto estabelecendo normas para criação do cartão.


Crédito com juros baixo para servidor

Crédito com juros baixo para servidor Foto: Ascom

O Governo do Estado está desenhando uma nova linha de crédito consignado para o servidor estadual. Trata-se do Cartão do Servidor, um cartão de crédito para efetivos e comissionados sem anuidade e com juros mais baixos que os cartões convencionais. O cartão será operacionalizado pela Secretaria de Administração e Previdência (SeadPrev), Agência de Fomento e Desenvolvimento do Piauí (Piauí Fomento) e Agência de Tecnologia da Informação (ATI).

As regras estão definidas em decreto assinado nesta quinta-feira (7) pelo governador Wellington Dias. “Estamos estabelecendo as normas para criação do cartão de crédito para o nosso servidor estadual. É um mecanismo moderno na área de consignados, a partir do credenciamento de um agente financeiro a ser selecionado pela Agência de Fomento. É também uma forma de organizar a vida financeira do servidor, que poderá fazer suas compras até determinado limite, respeitando sua capacidade de pagamento”, ressaltou.

De acordo com o secretário de Administração e Previdência, Merlong Solano, os servidores que solicitarem o cartão terão acesso ao crédito até um limite previamente estabelecido, a ser deduzido em sua remuneração mensal. “O desconto será feito diretamente no contracheque, comprometendo no máximo 10% do salário com o pagamento da fatura”, observou o gestor.

Investimento

Ao tempo em que favorece o servidor com crédito mais barato, o Cartão do Servidor oportuniza ao Estado a captação de recursos para a Piauí Fomento. “Para ampliar o seu portfólio de investimentos em micro e pequenos empreendimentos de interesse de milhares de piauienses”, frisou Merlong Solano.

O próximo passo será a publicação de um edital para seleção do agente financeiro do cartão. Os encargos decorrentes da utilização dos cartões serão previstos e determinados pela Piauí Fomento.

Fonte: CCOM

Próxima notícia

Dê sua opinião: