Nova vistoria consta irregularidades em maternidade

A fiscalização foi realizada pelo Crefito 14 em parceria com o Ministério Público


Vistoria na Maternidade Dona Evangelina Rosa

Vistoria na Maternidade Dona Evangelina Rosa Foto: Divulgação/Crefito

O Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional do Piauí (Crefito 14) realizou, nessa quarta-feira (23), fiscalização na Maternidade Dona Evangelina Rosa, em Teresina.

A fiscalização aconteceu em parceria com o Ministério Público Estadual e contou com a presença do promotor de Justiça Eny Marcos Vieira. Foram encontradas diversas irregularidades na maternidade, muitas delas já encontradas em fiscalizações anteriores.

A equipe percorreu a Unidade de Terapia Intensiva I, Farmácia e a reforma da Central de Esterilização de Material. Apesar de algumas melhoras, os fiscais detectaram algumas deficiências, entre elas: a falta de medicamentos e insumos, insuficiência de bombas de infusão, por exemplo.

De acordo com a agente fiscal do Crefito 14, Grazielle Alapenha, "o Conselho está cumprindo com a sua obrigação de órgão fiscalizador e buscando o bem-estar da comunidade".

"Por isso, tomaremos todas as medidas necessárias para que sejam cumpridas todas as normas, a fim de que a população tenha assegurado seu direito a um atendimento de qualidade. Então, assim, esperamos que a administração do hospital e a Secretaria de Estado da Saúde tomem as decisões necessárias", frisa.

Quanto aos aparelhos de ventilação mecânica, utilizados quando o paciente não consegue respirar espontaneamente por vias normais, foi averiguada a precariedade de alguns aparelhos, que estão muito antigos.

Segundo o promotor Eny Vieira, alguns problemas encontrados dizem respeito à própria estrutura física da unidade de saúde, como a existência de goteiras, infiltrações, rachaduras em paredes e teto de setores da maternidade.

Conforme o MP-PI, todas as deficiências constatadas serão apresentadas a Secretaria de Estado da Saúde, da qual o órgão cobrará soluções.

Fonte: Crefito 14

Próxima notícia

Dê sua opinião: