AÇÃO

MP/PI pede o afastamento da presidente da Apae em Teresina por improbidade

O MP/PI constatou a prática de nepotismo, a ausência de contribuições ao INSS e ao FGTS de funcionários, as demissões arbitrárias de funcionários e o envolvimento da instituição em campanha político partidária


Apae Teresina

Apae Teresina Foto: Divulgação

O Ministério Público do Estado do Piauí, por intermédio das 25ª e 27ª Promotorias de Justiça, ingressou com ação civil pública por ato de improbidade administrativa contra a presidente da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Teresina (Apae). O órgão ministerial também requereu o pedido de tutela provisória para que a presidente seja destituída do cargo e para que seu cônjuge e sua filha sejam desligados das funções que ocupam na instituição.

No primeiro semestre de 2021, o MPPI apurou os fatos noticiados pelo Sindicato dos Empregados em Entidades Culturais, Recreativas de Assistência Social de Orientação e Formação Profissional no Estado do Piauí (Senalba/PI). Assim, foi constatado a prática de nepotismo, a ausência de contribuições ao INSS e ao FGTS de funcionários, as demissões arbitrárias de funcionários e o envolvimento da instituição em campanha político partidária e compra de votos nas eleições da APAE-Teresina.

“Vale ressaltar que a contratação de seu marido, clínico geral, se deu pela vacância do cargo de médico psiquiatra. Não houve justificativa sobre os critérios utilizados para contratar o cônjuge, uma vez que este não possuía a especialidade do outro profissional. No caso da contratação da filha, a presidente da Apae também não especifica quais os critérios considerados em sua contratação. Tampouco foi dada a oportunidade a outros profissionais da sociedade de se candidatarem”, relatou o promotor de Justiça José Reinaldo Leão Coelho, que é o autor da ação.

Diante dos indícios a respeito da prática de nepotismo, que é vedada pelo ordenamento jurídico pela Lei nº 13.019/14 (Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil), foi expedida recomendação para que os parentes, consanguíneos ou afins, até o terceiro grau, da presidente fossem retirados dos quadros de funcionários remunerados. Após transcorrido o prazo de 15 dias, não houve retorno sobre as medidas tomadas.

Assim, o promotor de Justiça ingressou com ação civil no Poder Judiciário para que a ré seja destituída do cargo de presidente da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Teresina. Além disso, também requereu o desligamento da filha e do cônjuge da presidente, que ocupam as funções de odontóloga e clínico geral da instituição, respectivamente, até o provimento final.

Fonte: Com informações do MP/PI

Próxima notícia

Dê sua opinião: