EDUCAÇÃO

Confira série de impactos do COVID-19 na Educação

É momento de adaptação


Plataforma

Plataforma Foto: Divulgação

A pandemia do COVID-19 – o novo coronavírus – não produz efeitos apenas para as pessoas infectadas. Na prática, os cuidados necessários para evitar sua propagação afetam diversas áreas da economia, incluindo a educação.  

Até agora, quase 1 bilhão de estudantes já tiveram suas aulas suspensas ou reconfiguradas em diversos países de todo o planeta, incluindo o Brasil.  

A suspensão temporária de atividades presenciais, seja por ordem governamental ou por decisão das próprias instituições educacionais, é uma tentativa de reduzir o risco de contágio e a disseminação do vírus entre os estudantes, alunos e colaboradores.

No Brasil, o ministro da Educação Abraham Weintraub já recomendou que simpósios, seminários e eventos sejam evitados e/ou cancelados, e passou a defender aulas remotas e o EAD como alternativa.

Mas se por um lado a crise do COVID-19 oferece a chance de testar novas maneiras de estudar, por outro põe em questionamento o preparo de instituições para oferecer a estrutura e tecnologia necessárias para milhares de professores e alunos que se viram forçados a migrar rapidamente do modelo presencial para o online.

Instituições já consolidadas oferecem saída

Uma boa alternativa para alunos e professores que estão iniciando nas aulas online podem ser as empresas já estabelecidas neste mercado. E para atender a toda a essa demanda, está a Kultivi, nascida há 3 anos com o intuito de democratizar o acesso ao ensino e que oferece cursos gratuitos a distância em áreas como ENEM, Concursos Públicos, Idiomas (Inglês, Espanhol, Francês e Italiano), além de preparatórios para o Revalida (Medicina) e Empreendedorismo. 

“As EdTechs possuem um papel primordial nesse período de urgência, devendo oferecer soluções acessíveis em larga escala a toda comunidade, pais, professores e alunos”, afirma Claudio Matos, sócio fundador da Kultivi.

Criado em 2017, a plataforma já concentra mais de 460 mil usuários, além de registrar cerca de 213 mil inscritos no YouTube e disponibilizar mais de 4 mil aulas gratuitas.

Para estudantes e entusiastas de novos idiomas, a Kultivi possui o curso de Inglês, campeão de inscrições com mais de 143 mil alunos cadastrados e 220 aulas à disposição. Há ainda 39 mil inscritos em Espanhol, 35 mil em Francês e 13 mil em Italiano.

Cabe ressaltar também os cerca de 40 mil alunos inscritos no curso completo para o ENEM, que conta com 600 aulas de todas as disciplinas exigidas pelo Exame e que podem ser também utilizadas para reforço escolar de alunos do Ensino Médio que precisarão estudar em casa.

Concepção do projeto ocorreu durante crise

A ideia surgiu em meio à grave crise econômica dos últimos anos, com taxas astronômicas de desemprego e a necessidade crescente de qualificação profissional. Para ajudar o país a diminuir as desigualdades educacionais e qualificar os brasileiros para o mercado de trabalho, a Kultivi decidiu oferecer todos os seus cursos gratuitamente. Até mesmo na hora da emissão do certificado de conclusão não há nenhuma cobrança direta ao usuário.

Após um breve cadastro (apenas nome, e-mail e senha), o usuário pode realizar sua matrícula e iniciar imediatamente os estudos.

Além das aulas expositivas em vídeos (com duração média de 30 minutos), os alunos têm acesso ilimitado aos bancos de exercícios, material didático de apoio, e-books interativos, artigos e dicas de estudo.

Fonte: Daniel Santos

Próxima notícia

Dê sua opinião: