DESTRAVE

Documentário inédito sobre Marcelo Evelin é exibido pela Balada Literária

O documentário aborda memórias da infância de Marcelo


DESTRAVE: um olhar sobre a criação de Marcelo Evelin na dança contemporânea

DESTRAVE: um olhar sobre a criação de Marcelo Evelin na dança contemporânea Foto: Divulgação

Este ano a Balada Literária homenageia o bailarino, coreógrafo, diretor, pesquisador e professor de improvisação e composição, Marcelo Evelin. A fim de mostrar a travessia artística do ilustre piauiense, foi produzido o documentário DESTRAVE: um olhar sobre a criação de Marcelo Evelin na dança contemporânea, exibido na Balada Mês a Mês, edição de junho, que agora chega ao público em geral. 

Produzido por Respira Filmes, com direção de Luiza Sobral, roteiro de Tauana Queiroz e curadoria de Wellington Soares, o documentário conta, a partir de relatos do homenageado, de sua família e de amigos que trabalham com ele, momentos da trajetória do coreógrafo na dança e na cultura.  

DESTRAVE aborda, entre outras temáticas, memórias da infância de Marcelo e as primeiras brincadeiras de teatro, em Carolina, no sul do Maranhão. "Ele juntava aquelas crianças por ali e já montava um espetáculo", conta Marlene Evelin, artesã e mãe de Marcelo. Estevam Teixeira, engenheiro e pai de Marcelo, comenta sobre a personalidade do filho, que desde pequeno demonstra uma capacidade de liderança e firmeza na defesa de seus ideais: "É difícil demovê-lo de uma posição tomada", comenta. Para o pai, o trabalho do coreógrafo tem um forte caráter libertário que, de acordo com ele, é planejado no sentido de destravar, eliminar ou contestar as limitações impostas pela sociedade.  

Ao ser questionado sobre sua maneira de trabalho, Marcelo afirma que é desenvolvida sobre questões atuais, formas mutáveis, em transformação. "Eu tenho trabalhado com pessoas em diversos lugares do mundo, isso me nutre e me faz seguir adiante". Márcia Evelin, professora, contadora de histórias e irmã de Marcelo, comenta a respeito do encantamento pelos processos de criação do irmão:"São intensos, ele se transporta para o espetáculo que está montando". Segundo Regina Veloso, diretora de produção, o trabalho de Marcelo consegue movimentar estruturas e não deixa ileso quem performa, colabora ou assiste aos seus espetáculos. Segundo Gui Fontineles, artista residente do CAMPO, local que hospeda seu estúdio de criação em Teresina, Marcelo é rigoroso com seu trabalho e faz o que acredita, característica que traz desde a infância.  


Marcelo Evelin morou por 20 anos na Europa, foi radicado na Holanda, onde alavancou sua carreira internacional e, até hoje, atua como professor na Escola Superior de Mímica de Amsterdã. De volta ao Piauí, esteve à frente do Teatro João Paulo II em Teresina (2006-2013), período em que fundou o Núcleo do Dirceu, coletivo de artistas independentes e, desde 2016, faz a orientação artística do CAMPO, sua plataforma de trabalho Demolition Incorporada.  

Sem deixar o vínculo com o Brasil, Marcelo afirma querer investir cada vez mais em trabalhos no país, especificamente em Teresina, sua cidade natal, apesar das dificuldades em encontrar incentivo e espaço para execução dos projetos. A relação de Marcelo com Teresina é crítica, percebe as fragilidades, mas também as usa como potência. "Não de forma a romantizar a precariedade, mas de modo a nos fazer refletir que é possível ter trabalhos de imensa qualidade, sendo quem somos, estando onde estamos, tendo o que temos", comenta Regina Veloso.   

Marcelino Freire, escritor e criador da Balada Literária, considera Marcelo Evelin "plural, sendo singular". O escritor celebra a relação do artista com o Piauí e se diz comovido com o amor do pai, da mãe e da irmã de Marcelo pelo trabalho que desenvolveu e fez nascer ali, do quintal de sua casa. "Para onde vai ele leva (e eleva) sua Teresina. Um chão próprio nascendo em outras terras. A grandeza do corpo do trabalho de Evelin é essa. O que colheu de sua terra natal ele espalha pelo mundo. Um grande artista porque leal com suas raízes corporais, visceral e único". 

Luiza Sobral, diretora do documentário, considerou um desafio realizar uma produção audiovisual sobre a extensa obra de Marcelo, que tem mais de 30 anos como coreógrafo. "Não é uma tarefa simples, passei dias conversando com Tauana Queiroz, pra elaboramos o norte do roteiro e escolhermos os personagens do documentário. Depois coordenei, junto com Alexandre Soares, diretor de fotografia, um formato de um filme que tivesse a essência do Marcelo Evelin". A roteirista Tauana Queiroz explica que uma característica marcante é, no documentário, a presença das memórias afetivas de pessoas que acompanham o piauiense desde o início de sua carreira, possibilitando uma compreensão da dimensão do trabalho do coreógrafo sob um ponto de vista pouco conhecido do público.  

Ficha técnica 

Direção de Fotografia: Alexandre Soares 

Produção: Respira Filmes 

Assistente de câmera: Eduardo Sobral 

Assistente de produção: Viviane Santos Ricardo Oliveira 

Direção: Luiza Sobral 

Roteiro: Tauana Queiroz 

Edição: Antonio Andrade 

Assessoria de imprensa: Tauana Queiroz 

Curadoria da Balada Literária/PI: Wellington Soares 

 

Próxima notícia

Dê sua opinião: