Embrapa e UFPI vão treinar africanos em marcadores genéticos e qualidade do mel

O treinamento acontecerá em Teresina, de 11 a 19 deste mês, pela manhã e  tarde, na sede da Embrapa Meio-Norte.


Tecnicos e pesquisadores da Universidade de Mekelle, da República Democrática Federal da Etiópia, no Nordeste da África, serão treinados pela Embrapa Meio-Norte e a Universidade Federal do Piauí (UFPI) em marcadores genéticos e morfometria em estudos populacionais e em sistemática de Apis melífera. A capacitação será feita também em controle da qualidade do mel, por meio de análises laboratoriais.

O treinamento acontecerá em Teresina, de 11 a 19 deste mês, pela manhã e  tarde, na sede da Embrapa Meio-Norte. O professor Fábio Barros Brito, da UFPI, e o doutorando Geice Ribeiro da Silva, ministrarão as aulas sobre marcadores genéticos no laboratório de Biologia Molecular da Unidade. Já a capacitação sobre qualidade do mel será comandada pela pesquisadora Ana Lúcia Horta, da Embrapa.

Os etíopes Abrehet Gebrekristos Teklu, Birhane Gebreanania Gebremedhin, Ekuba Gebrehaweria Gebrekrstos, Mohammed Tilahun Tessema e Teka Tareke Kahsay, conhecerão também as pesquisas da Embrapa no Nordeste com abelhas indígenas sem ferrão e abelhas africanizadas. De 20 a 22, o grupo visitará apiários, fábricas de colmeias e cooperativas de produtores de mel nos municípios de Picos e Simplício Mendes, no Sudeste do Piauí.

Esse treinamento é uma ação de um projeto de manejo produtivo de abelhas Apis Mellifera sustentável para garantir segurança alimentar nas áreas rurais da Etiópia, que no Brasil é coordenado pela pesquisadora Patrícia Maria Drumond, da Embrapa Acre. O projeto integra o M-BoSs,  programa internacional apoiado financeiramente pela Fundação Bill & Melinda Gates, Departamento para o Desenvolvimento Internacional do Reino Unido (DFID) e o Fórum para Pesquisa Agrícola na África (FARA). 

Fonte: Fernando Sinimbu

Próxima notícia

Dê sua opinião: