PROJETO

Mulheres de Visão: Projeto estimula o empreendedorismo de mulheres cegas em Teresina

Ação é idealizada pela Escola Comradio, Institulo Ileve e Fundação Interamericana


Projeto

Projeto Foto: ricardo@iconenoticia.com.br

A Escola Comradio e o Instituto Ileve em parceria com a Fundação Interamericana fizeram o lançamento oficial do Projeto Mulheres de Visão nesta segunda-feira (05) no auditório da OAB em Teresina. No momento que antecedeu a solenidade, os visitantes puderam participar de um circuito sensorial com imersão na realidade da pessoa cega, idealizado pela professora Dilma Andrade, uma das coordenadoras do Mulheres de Visão. A proposta era vendar o participante e colocar um fone de ouvido com sons da natureza para deixá-los dependentes de um guia.

 A governadora do Estado em exercício, Regina Sousa, participou do circuito e detalhou sua experiência afirmando que, com apoio, as pessoas têm mais confiança em seus desafios. "Enquanto a guia segurava o meu braço, eu me senti segura. Percebi a importância do projeto em afirmar que as pessoas cegas podem fazer tudo, desde que se sintam seguras e tenha o apoio. Se tiver apoio, todo mundo pode caminhar igual.", descreveu Regina Sousa.

 Iraildon Mota, coordenador do projeto e presidente da Escola Comradio, comentou que a proposta do projeto é reafirmar as potencialidades das mulheres cegas por meio de um trabalho equilibrado e com apoio da sociedade. "Queremos explorar esses potenciais de uma maneira muito positiva, com uma metodologia inovadora e intensa da qual elas consigam, com compromisso e determinação, entregar algo a sociedade. Para isso, precisamos de uma sociedade de coração aberto. Que esse sentimento e essa união ganhe as ruas dessa cidade e do nosso país", enfatizou.

 A Ordem dos Advogados do Brasil em Teresina é parceira do projeto e sediou o lançamento oficial da iniciativa. O presidente da OAB Piauí, Celso Barros, afirmou que o compromisso com o Mulheres de Visão não é somente dos deficientes, mas de toda a população. "Nós temos que abraçar essa causa, pois ela não é somente de quem é deficiente visual, é uma causa da sociedade. Por isso é que a OAB está aqui irmanada para auxiliar e apoiar causas como essa.", pontuou o presidente da Ordem.

 Como beneficiária e representante da Comissão das pessoas com deficiência da OAB, Dra. Camila Marques foi a primeira pessoa cega a passar no exame da OAB no Piauí e afirma que o projeto vem com a oportunidade fundamental de qualificação para as mulheres que participarão das atividades. "É um projeto fundamental, pois ainda há muitas mulheres cegas sem oportunidades e no esquecimento, muitas que não sabem o papel e não são empoderadas, além de precisarem lutar com a falta de oportunidade, tanto na escola quanto no mercado de trabalho.", finalizou Camila.

 O Projeto

 O Projeto nasceu em 2014 com uma provocação a 5 mulheres cegas e mães a contarem os desafios diários em um programa de rádio. O nome "Mulheres de Visão" surgiu nesse núcleo, idealizado dentro da Escola Comradio.

 A iniciativa propõe a seleção de 40 mulheres e duração de três anos a fim de realizar atividades como pesquisa sobre mercado de trabalho para pessoas com deficiência, intervenções em praças, escolas, faculdades e empresas sobre o mundo da pessoa cega, uma revista acessível, documentários, concurso de reportagem, selo para reconhecer empresas acessíveis e será publicado um livro com a metodologia do projeto e histórias de superação de mulheres.

 Dente as ações previstas no Projeto Mulheres de Visão constam ainda uma plataforma específica de indicação de pessoas com deficiência para o mercado de trabalho, como também um concurso de ideias de negócios inovadores. O projeto também irá criar o Fórum Permanente de Negócios Acessíveis do Piauí com a participação de várias organizações sociais, empresas e poder público.

Fonte: ricardo@iconenoticia

Próxima notícia

Dê sua opinião: