Homem que incitava ódio na internet desde 2012 é condenado a 41 anos

Ontem (19), ele foi condenado a 41 anos, seis meses e 20 dias de prisão.


Marcelo Valle Silveira de Mello

Marcelo Valle Silveira de Mello Foto: archive.is

Marcelo Valle Silveira de Mello é conhecido desde 2012, quando foi detido por ser um dos responsáveis por um blog que disseminava ódio contra negros, homossexuais, mulheres, nordestinos e judeus. Ontem (19), ele foi condenado a 41 anos, seis meses e 20 dias de prisão por incitar crimes de ódio e terrorismo e promover pedofilia na internet.

Mello foi preso em maio de 2018 durante a Operação Bravata, da Polícia Federal, e também era líder de um fórum de extremistas de direita chamado Dogolachan, segundo denúncia feita pelo site Ponte Jornalismo. Segundo a condenação, Mello cometeu seis crimes diferentes: associação criminosa, divulgação de imagens envolvendo a prática de pedofilia, racismo, incitação ao cometimento de crimes, coação no curso do processo e terrorismo.

Ainda conforme a sentença, Mello costumava denunciar postagens anônimas produzidas por ele mesmo a fim de manter acima das suspeitas. Segundo o juiz, Mello denunciava às autoridades postagens anônimas feitas por ele mesmo a fim de manter longe das suspeitas

Na decisão, o juiz federal Marcos Josegrei da Silva, da 14ª Vara da Justiça Federal de Curitiba, determina que Mello não poderá recorrer em liberdade e foi condenado, ainda, ao pagamento de R$ 1 milhão e 678 dias-multa (cada dia-multa vale um décimo do salário mínimo vigente em dezembro de 2016) como forma de reparação de danos.

A reparação financeira foi fixada porque, segundo o juiz, Mello voltou a praticar crimes mesmo após já ter sido condenado anteriormente. Segundo o G1, o dinheiro será destinado a programas educativos e que combatem crimes na internet.

"Inequívoca, portanto, a sua periculosidade, sendo o acusado verdadeira ameaça à ordem social, se solto, não só na condição de autor de delitos como divulgação de imagens de pedofilia, racismo e líder de associação criminosa virtual, mas também como grande incentivador de cometimento de crimes ainda mais graves por parte de terceiros, como homicídios, feminicídios e terrorismo", afirmou o juiz em sua decisão.

Fonte: Tecmundo

Próxima notícia

Dê sua opinião: