Olhe Direito!

O fundamental livro sobre Monsenhor Boson


Livro

Livro Foto: Divulgação

O que poderia ser apenas uma homenagem a um parente cuja memória se perdia nos desvãos do tempo, ao ser realizada com esmero, riqueza de fontes, boa pesquisa e um texto escorreito formou-se em um livro que certamente pode e deve ser referencial na História do Piauí. É uma obra que se pereniza, felizmente.

Não menos que as palavras iniciais deste texto podem descrever o livro recém-lançado pelo desembargador federal do Trabalho, Arnaldo Boson Paes, intitulado “Monsenhor Boson, missionário da educação”, que em 14 capítulos curtos, mas densos, leva o leitor a percorrer a biografia deste piauiense nascido em São Raimundo Nonato, em 15 de outubro de 1868, dia do professor, como que obra boa do destino.

Haveria ele de ser padre por influência de um tio, mas forjou-se também pelos meandros da poesia por ter um tio coronel e da cultura e educação pela sorte de ter um tio poeta. E percorreu esse caminho com o que hoje chamamos rotineiramente de resiliência, mas que no final do século XIX era meramente parte do cotidiano de muito mais dificuldades que nos atuais tempos.

Como posto, o livro revela-se marco para a memória e história do Piauí. Pode-se perceber na escrita despretensiosa de Arnaldo Boson Paes como era São Raimundo Nonato em seus primeiros tempos de vila ou a aventura a que se submetiam as pessoas numa viagem entre Teresina e Barras, onde Monsenhor Boson foi pároco por longos anos no início do século XX. Hoje, se vai a Barras em duas horas, enquanto nas décadas iniciais do século XX levava-se no mínimo três dias, em lombo de burro e sob condições arriscadas para atravessar o rio Marataoan, como fez o religioso biografado pelo sobrinho nascido baiano e agora desembargador federal do Trabalho no Piauí.

O texto desse livro de 152 páginas é ainda revelador sobre os movimentos que resultaram na criação de duas instituições basilares na cultura, educação e sociedade piauienses: a Diocese do Piauí, atualmente Arquidiocese de Parnaíba, e o Colégio Diocesano – cujas bases mais relevantes se assentam sob a figura emblemática do educador Boson, conforme narra autor.

Monsenhor Boson foi-se fazer padre no final do século XIX em São Luís, sede do bispado que abrangia o Piauí nos tempos oitocentistas e até os primeiros anos do século XX. Lá granjeou importância, formou suas habilidades e modos de educador confessional cristão, das quais nunca abriu mão, posto que se fincavam em devoção e obediência aos princípios católicos, o que o fez estar em trincheiras de embates com intelectuais e políticos anticlericais das primeiras décadas do século XX no Piauí.

Nesse ponto, o livro de Arnaldo Boson Paes nos guia para conhecimento de outro importante registro histórico, que foi de uma luta renhida por poder a opor políticos e religiosos católicos no Piauí no começo do século passado – o que só amplia a importância desta obra, que, como posto no começo, resulta de ampla e bem realizada pesquisa, demonstrada não somente na riqueza de dados do texto escorreito, mas no suporte de ilustrações, como que a homologar sua importância.

Siga nas redes sociais
Mais conteúdo sobre:
Álvaro Mota

Álvaro Mota

É advogado, procurador do Estado e mestre em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Álvaro também é presidente do Instituto dos Advogados Piauienses.
Próxima notícia

Dê sua opinião: