COVID-19

Regina Sousa assina novo decreto que obriga o uso de máscaras em locais fechados no Piauí

A medida levou em consideração o aumento do número de casos de Covid-19


Governadora Regina Sousa

Governadora Regina Sousa Foto: Gabriel Paulino

A governadora Regina Sousa assinou novo decreto que torna obrigatório o uso de máscaras em ambientes fechados em todo Piauí. O decreto foi publicado nesta segunda-feira (28), no Diário Oficial do Estado.

A medida já está em vigor. A governadora levou em consideração as recomendações do Comitê de Operações Emergenciais (COE) estadual e municipal, além do Comitê Científico do Consórcio Nordeste, que destacaram o aumento de casos de Covid-19 nas últimas semanas. 

De acordo com o documento, o uso da máscara será obrigatório em espaços fechados, públicos ou privados como unidades de saúde como hospitais, clínicas ou consultórios,  transportes coletivos, públicos ou privados, rodoviário ou ferroviário (trabalhadores e passageiros/usuários), assim como, táxis e transportes por aplicativos. 

 Permanece facultativo o uso de máscaras em espaços abertos e semiabertos, com exceção de idosos e imunossuprimidos, para os quais o uso de máscaras permanece obrigatório em qualquer espaço. 

O decreto também determina que farmácias e drogarias que comercializam autoteste para detecção de antígeno do SARS-CoV-2 (PNE-Teste) terão de informar  semanalmente a quantidade de testes vendidos, por meio de Nota Fiscal emitida pelo estabelecimento, à Diretoria de Vigilância Sanitária do estado do Piauí (DIVISA), através de formulário de notificação disponível no sítio da DIVISA.

Veja o decreto:

DECRETO Nº 21644, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2022 Determina o uso obrigatório de máscaras em todo o Estado do Piauí, em ambientes fechados, públicos ou privados covid 19 2811 versão final_221128_155743.pdf

Teresina abre dois novos pontos de drive thru para vacinação contra a Covid

Covid-19: Comitê dos Governadores do Nordeste recomenda uso da máscara

COVID: FMS abre vagas para vacinar crianças de 6 meses a 2 anos sem comorbidades

Próxima notícia

Dê sua opinião: