GRUPO DE RISCO

Sindicato protocola ofício pedindo revogação de portaria que pede retorno de atividades

A portaria foi assinada pelo novo presidente da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Gilberto Albuquerque.


Divulgação/Redes Sociais

Divulgação/Redes Sociais Foto:

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Teresina (Sindserm) protocolou, na segunda-feira (11), um  ofício exigindo a suspensão da Portaria 003/2021, que prevê o retorno de todos os trabalhadores da Fundação aos atendimentos presenciais.

A portaria foi assinada pelo novo presidente da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Gilberto Albuquerque.

Segundo o documento, somente mulheres grávidas e lactantes com crianças de até um ano, com condições comprovadas, são as exceções para o retorno presencial. A portaria que foi publicada na última sexta-feira (08), entrou em vigor no dia 11 e os profissionais têm até o dia 18 para retornarem aos postos de trabalho.

VEJA TAMBÉM: 

MDB escolhe Simone Tebet para disputar presidência do Senado

Prefeito investigado por compra de votos nomeou quatro parentes para a prefeitura

De acordo com nota emitida pelo Sindserm, o documento da entidade sindical tem o objetivo de proteger a saúde e a vida de servidores com comorbidades ou acima de 60 anos, até que sejam vacinados contra a Covid-19,.

“Estamos tentando dialogar e adiar o retorno de pessoas com doenças graves, uma vez que a vacina está tão próxima. O autoritarismo poderá trazer problemas sérios. Obviamente que haverá a responsabilização judicial da autoridade responsável por uma eventual contaminação de um servidor de grupo de risco, mas nada trará de volta uma vida perdida”, ressaltou Joaquim Monteiro, da Direção Colegiada do Sindserm Teresina.

Próxima notícia

Dê sua opinião: