MARCOS PARENTE

Prefeito investigado por compra de votos nomeou quatro parentes para a prefeitura

O pai, a esposa, o primo e o esposo da tia foram nomeados para cargos na prefeitura de Marcos Parente


Gedison Alves Rodrigues

Gedison Alves Rodrigues Foto: Reprodução internet

O Diário Oficial do município de Marcos Parente, região Sul do Piauí, publicou neste mês as portarias com os nomes de quatro parentes do prefeito Gedison Alves Rodrigues para cargos na prefeitura da cidade.

São eles:

Seu pai - Edvaldo José Rodrigues, para cuidar do dinheiro do município, com o cargo de Secretário de Finanças e Planejamento;

A esposa - Ana Paula Brito de Sousa Rodrigues, para o cargo de Secretária de Assistência Social, Cidadania e Habitação;

O primo - Allan Benvindo Rodrigues, para o cargo de Secretário de Administração;

O esposo da tia - Jonas de Almeida Rocha, para o cargo de Diretor de Departamento de Transportes;

Nessa terça-feira, 12, o juiz eleitoral da 46ª zona eleitoral de Guadalupe, cidade da região Sul do Piauí, Marcus Antônio Sousa e Silva, recebeu a ação de investigação judicial eleitoral no dia 9 de janeiro e no despacho determinou a intimação do prefeito de Marcos Parente, Gedison Alves Rodrigues, a vice-prefeita Iara Martins Santana, Ulgo Freitas da Cunha, candidato a vereador, e Laerson da Silva Santos, cabo eleitoral, para que apresentem defesa no prazo de cinco dias.

Leia também:

Juiz manda intimar prefeito de Marcos Parente por compra de voto

PT e Progressistas declaram apoio à candidatura de Rodrigo Pacheco para presidir o Senado


O Juiz determinou ainda o encaminhamento dos autos ao Ministério Público Eleitoral para se manifestar no prazo de 48 horas. Após a intimação de todos, o juiz decidirá se realizará a audiência de instrução.

Segundo a autora da ação, Maria José Martins de Oliveira Costa, candidata a prefeita, os acusados praticaram os crimes de Captação Ilícita de Sufrágio (compra de votos); Abuso de Poder Econômico e Uso Indevido dos Meios de Comunicação. A Ação que foi protocolada no dia 15 de dezembro de 2020, pede a cassação dos diplomas e a inelegibilidade dos acusados.

Próxima notícia

Dê sua opinião: