GUARIBAS E URUÇUÍ

Dois prefeitos do Piauí "furam a fila" e tomam a vacina contra a Covid-19

Os dois prefeitos não fazem parte do grupo de risco que está apto a receber a vacina neste primeiro momento


Em Uruçuí, o prefeito Dr. Wagner, que tem 75 anos e é médico se vacinou com a Coronavac

Em Uruçuí, o prefeito Dr. Wagner, que tem 75 anos e é médico se vacinou com a Coronavac Foto: Reprodução internet

Dois prefeitos de cidades do Sul do Piauí foram vacinados contra a Covid-19. Francisco Wagner Pires Coelho, de Uruçuí, conhecido como Dr. Wagner, do Progressistas, e Joercio Matias de Andrade (MDB), da cidade de Guaribas, foram os primeiros a serem vacinados nos municípios, causando muita polêmica. 

O prefeito de Guaribas tem 40 anos e é agricultor. Ou seja, não atende aos requisitos de grupos prioritários para a vacinação neste momento que estão voltados para profissionais de saúde, idosos acima de 75 anos e que moram em abrigos, além das comunidades indígenas.

Leia também:

DPE e Sejus discutem retorno dos internos do regime semiaberto ao sistema prisional

Governo lança campanha publicitária de vacinação sem vacina para população

O prefeito Joercio Matias confirmou à imprensa a sua vacinação e há imagens que registram sua imunização. Segundo ele, os profissionais de saúde também foram vacinados e que ele recebeu a imunização para servir de exemplo para a população.

De Guaribas, ele disse que vê as críticas como “má fé” e acredita que mais vacinas virão e que todos devem ser vacinados. O município de Guaribas recebeu 26 doses da Coronavac. 

Joercio Matias de Andrade (MDB), da cidade de Guaribas, foi vacinado

Em Uruçuí, o prefeito Dr. Wagner, que tem 75 anos e é médico se vacinou com a Coronavac. A assessoria da Prefeitura informou que ele foi convidado pelos próprios funcionários da Saúde para ser imunizado.

Segundo a assessoria, Dr. Wagner, mesmo sendo do grupo de risco, acompanha pessoalmente os trabalhos nas UBS com os pacientes Covid-19. A Secretaria Estadual de Saúde (Sesapi) ressaltou que as prefeituras têm autonomia e a recomendação é que os questionamentos devem ser encaminhadas para a Ouvidoria do Ministério da Saúde. 

Próxima notícia

Dê sua opinião: