BATINA

Padre italiano abandona Igreja por amor. "Pela Laura, desisto da batina"

"Nunca saí com ela como namorada, mas pela Laura desisto da batina", afirmou Riccardo Ceccobelli


Abandono de batina

Abandono de batina Foto: Divulgação

Foi durante a celebração dominical da igreja de Massa Martana, na cidade italiana de Todi, na região da Perúgia, que o padre Don Riccardo Ceccobelli anunciou aos fiéis a sua intenção de renunciar ao sacerdócio porque havia se apaixonado e queria viver esse amor.

 "Eram 11h27 de domingo, no dia 11 de abril, o céu chorava e eu chorava. Ia guiando com pressa em direção a Massa Martana para a última missa da minha vida, a última missa celebrada por mim, quero dizer. Estava com pressa, mas a dada altura uma carroça que carregava uma oliveira surgiu na minha frente. A carroça movia-se lentamente e eu queria ultrapassá-la. Então, veio-me à mente a história que aprendi na catequese quando era pequeno: a planta que é movida, um dia dará frutos noutro lugar. Aqui, agora, sinto-me como aquela oliveira. Estou em movimento. Para mim, foi um sinal de Deus", disse Riccardo Ceccobelli, citado pelo Corriere della Sera.

Tiroteio em escola do Tennessee deixa 1 morto e policial ferido

Funeral do príncipe Philip deve acontecer no dia 17

Morre o príncipe Philip, marido da rainha da Inglaterra

O homem de 42 anos de idade dedicou metade da sua vida à Igreja Católica, mas, não sendo possível compatibilizar o sacerdócio com a constituição de família, optou pelo amor a Laura. "O meu coração apaixonou-se. Nunca traí as promessas que fiz, mas quero tentar viver esse amor. Não consigo ser coerente, transparente e correto com a Igreja como tenho sido até agora", ressaltou.

"Nunca saí com ela como namorada, mas pela Laura desisto da batina. Eu esperava que ela encontrasse um namorado, mas a cada dia que passava ficava pior. Dentro de mim, continuarei a ser um padre", acrescentou o antigo sacerdote.

A sua história tornou-se notícia no país, mas Ceccobelli tem recebido mensagens de apoio, incluindo de Dom Gualtiero Sigismondi, o seu superior, que o apoiou na sua decisão e que estava, inclusive, na missa onde fez o anúncio.

Fonte: Notícias ao minuto

Próxima notícia

Dê sua opinião: