DIA DO PROFESSOR

Professora arrecada e distribui absorventes para combater a pobreza menstrual em Teresina

Maitê Costa lançou o projeto "Mermã, tá aqui' para ajudar mulheres em situação de vulnerabilidade


Professora arrecada e distribui absorventes para combater a pobreza menstrual em Teresina

Professora arrecada e distribui absorventes para combater a pobreza menstrual em Teresina Foto: Imagem enviada ao Piauíhoje.com

A pandemia do novo coronavírus trouxe muitas reflexões na vida de várias pessoas. Algumas passaram a prestar mais atenção no próximo e sentiram a necessidade de ajudar. Foi o que aconteceu com a professora do ensino fundamental da rede pública de Teresina, Maitê de Barros Costa, de 35 anos, que durante o confinamento ocasionado pela pandemia ela passou a fazer leituras e foi através de um texto que ela descobriu que podia mudar a vida de mulheres de baixa renda.

Maitê fundou um projeto chamado “Mermã, Tá Aqui”, que consiste na arrecadação e distribuição de absorventes para meninas e mulheres em situação de rua, de risco social ou vulnerabilidade.

“Na pior fase da pandemia eu fiz algumas leituras e o texto da Herself foi importante. Foi chocante ver que tantas questões que envolvem a menstruação são minimizadas por conta do tabu. Uma delas é que muitas meninas passam por esse processo natural com vergonha, humilhação, desamparadas e isso fere a dignidade e autoconfiança. Além disso, temos que pensar que até mesmo o saneamento básico e o acesso à educação são problemas que perpetuam esse que é um problema de saúde pública”, disse Maitê Costa.

O assunto logo tocou a professora porque ela lembrou que quando passou a menstruar não tinha uma boa condição financeira e morava na casa de parentes.

 “Essa questão mexe muito comigo, por muitos anos minha menstruação era muito difícil conter e eu não tinha boas condições financeiras. Foi quando eu não morava com meus pais e eu não tinha acesso ao protetor menstrual adequado. Foi muito difícil! Anos depois eu passei por uma cirurgia e fiquei sem útero. Daí não menstruei mais e consequentemente não posso ter filhos. Então esse projeto veio como uma ressignificação para mim”, explica a professora.

Professora Maitê Costa, idealizadora do projeto Mermã Tá Aqui!

O projeto ficou por um tempo somente na cabeça de Maitê Costa, até que em setembro deste ano ela resolveu pôr em prática. Em setembro deste ano ela foi chamada para fazer um trabalho voluntário e lá percebeu que precisava ajudar o próximo, em especial as mulheres.

Em seguida, Maitê fez um cartaz e publicou nas redes sociais e pediu ajuda para a família e amigos. A meta era arrecadar 100 pacotes de absorventes. Com a meta alcançada, ela fez a primeira ação no dia 25/07 e entregou cerca de 220 absorventes para mulheres em situação de rua.

Receberam os absorventes as mulheres em situação de vulnerabilidade e meninas que estudam em escolas públicas para garantir a frequência na escola, além de atletas da periferia.

Sozinha, a professora busca as doações e faz as entregas. Ela conta com a ajuda da família para embalar, higienizar e mapear as áreas de entrega.

Além disso, Maitê realiza as entregas em parceria com outros projetos sociais como: Quem é o meu Próximo?, Sopa THE, A Márcia do Parque das Lagoas do Norte/Recicladoras do Futuro, 4F Atletismo e a Amparo, agente de saúde da família  em Timon - Cidade Nova 3, e outros coletivos.

Como ajudar o projeto?

A doação para o projeto pode ser feita através de transferência via PIX ou do próprio pacote de absorvente.

A chave pix é: Telefone (86) 99509-5071. Pode ser doado valores a partir de R$ 1,00.

Quem deseja doar o absorvente, Maitê vai buscar em qualquer lugar. Basta mandar mensagem no direct do Instagram @merma_ ta_ aqui ou mensagem no whatsapp. “Acreditamos que cada pacote ameniza e são 8  momentos de paz e tranquilidade para uma mermã da nossa comunidade”.

A educação liberta e constrói

Há cinco anos, Maitê Costa ministra aulas de ciências e matemática para alunos do 3º e 5º ano do ensino fundamental da rede pública de ensino de Teresina.

Ela conta que teve muitas desistências até sua formação como professora. “Apesar das dificuldades persisti e voltei porque acredito muito na educação.  A educação liberta, emancipa, constrói e reconstrói”.

Maitê Costa avalia a educação antes e durante a pandemia. Segundo ela, a educação ainda é a única forma para muitos de seguir após a pandemia da Covid-19.

“Com a pandemia todas as feridas da educação estão expostas: desigualdade social, falta de acesso, desvalorização dos professores, falta e omissão de políticas públicas e a  falta da autonomia de pensamento para o bem comum de grande parte da sociedade”, ressalta a professora.

Nos dias atuais, Maitê diz que o maior desafio como professora é ter que se reinventar todos os dias. "Os tempos são outros e as necessidades dos alunos são muitas. A gente tem que inovar todo o tempo para poder alcançar essa nova geração, a geração da informação, mas que tem muita dificuldade em absorver essas informações. 

Próxima notícia

Dê sua opinião: