CULINÁRIA

Produtores da zona rural de Teresina investem em pratos com galinha caipira Canela-Preta

A raça de galinha Canela-Preta é nativa do Sertão nordestino e passou a fazer parte da culinária piauiense


Canela-Preta

Canela-Preta Foto: Divulgação

A galinha caipira da raça Canela-Preta tem se tornado cada vez mais popular na culinária piauiense. Quem já provou diz que a carne é diferente das demais galinhas caipiras, afirmando ser ainda  mais saborosa. Nativa do sertão nordestino, a galinha Canela-Preta tem bastante incidência no Piauí e Maranhão. A sua riqueza genética chama a atenção de pesquisadores da Universidade Federal do Piauí (UFPI). 

A zootecnista e presidente da Câmara de Avicultura Caipira do Piauí, Dra. Débora Carvalho, diz que a galinha Canela-Preta sempre esteve presente nos quintais de pequenos agricultores, mas devido a introdução indiscriminada de linhagens exóticas de aves especializadas, elas quase chegaram a ser extintas. "Contudo graças a um projeto intitulado "Produtores do Futuro", coordenado pela Embrapa na pessoa do Dr. Marcos Jacob, essas aves foram sendo aos poucos resgatadas, multiplicadas e reintroduzidas em suas localidades de origem", explica Débora Carvalho.

A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural- EMATER-PI, vem desenvolvendo um importante trabalho no fortalecimento da criação de galinha caipira no Piauí. Em agosto de 2020, foi implementado em parceria com a EMBRAPA, e o IFPI a capacitação on-line  em Gestão e Inovação na produção e comercialização de ovos e galinha caipira, importante ação para a consolidação da atividade no mercado Estadual. Participaram do curso mais de 300 pequenos produtores de todo o estado. O Dr. Guedes Alcoforado, o presidente da EMATER-PI, é acredita no potencial  da criação de galinha caipira Canela-Preta.

Francisco Guedes presidente da EMATER/PI

Após várias pesquisas cientificas, a raça de galinhas passou a ser buscada pelos pequenos criadores e empreendedores para produzir de forma comercial. "São aves rústicas, criadas livres a campo, tem baixa dependência de ração, menos susceptível a doenças e ajustadas as nossas condições de clima e solo. Para sua criação não necessitada de instalações robustas. São criadas principalmente por agricultores familiares", diz a zootecnista. 

O sabor diferenciado e a tonalidade das aves quando comparada com as demais caipiras despertou a atenção dos pequenos produtores rurais. Na Cacimba Velha, zona rural Leste de Teresina, buscando dinamizar e fortalecer  roteiros rurais  uma família investe  na produção e gastronomia  da Galinha Caipira  Canela-Preta, o que tem feito bastante sucesso entre os consumidores.

Sitio Alegria ( Estrada da Cacimba Velha)

Deliciosos pratos com a Galinha Canela-Preta

Para realizar a encomenda, os telefones para contato são (86) 99852-7472 ou (61) 98245-5791, ambos números são WhatsApp.  Confira o menu abaixo:


A pesquisadosa Débora Carvalho também é produtora da raça Canela-Preta, tendo foco na venda de pintos. O criadouro dela fica na cidade de Demerval Lobão. As galinhas são criadas a campo e com instalações rústicas. O negócio conta com a ajuda de seus pais, o que categoriza como um empreendimento familiar. 

"Devido minha formação acadêmica e experiência com pesquisa científica  exclusiva com a raça Canela-Preta, montei um empreendimento rural com foco em venda de genética Top da raça. Trabalho com seleção de matrizes e reprodutores que melhor representa a raça e comercializo os pintos oriundo dessa genética selecionada", afirma a zootecnista e doutora em Ciência Animal. 

Entre suas riquezas, a espécie tem suas plumagens escuras, principalmente nos membros inferiores e outras características peculiares. Debora fala que o Piauí já tem 51 municípios com produtores dessa raça de galinha. As fêmeas pesam em média 1,800kg e machos 2,200kg. Por ser uma raça nativa e conservada seu padrão genéticos, elas possuem ovos multicolores (azuis esverdeados, amarelos e marrons).

Ovos da galinha da raça Canela-Preta/ Foto: Criatório Débora Carvalho

Galinhas Canela-Preta/Foto: Criatório Débora Carvalho

Próxima notícia

Dê sua opinião: