INVESTIGAÇÃO

IML aponta que bebê venezuelano morreu por agressões e intoxicação em Teresina

A mãe do bebê, uma adolescente de 13 anos, foi ouvida pela Polícia Civil


Imagem ilustrativa/ Bebê

Imagem ilustrativa/ Bebê Foto: Autoria desconhecida

O Laudo Cadavérico realizado pelo Instituto Médico Legal (IML) apontou que o bebê venezuelano identificado como Heilin Perez morreu em decorrência de agressões e intoxicação. A criança morreu na sexta-feira (12/11), aos 9 meses de vida, no Hospital do Buenos Aires, na zona Norte de Teresina. A informação foi confirmada pela Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi).

A Polícia Civil do Piauí, por meio da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), está investigando o caso. A mãe de Heilin, H.DV, 13 anos, e a avô, Maria Perez, 41 anos, prestaram depoimentos e retornaram ao abrigo, onde aguardam os trâmites judiciais.

Segundo a Semcaspi, o bebê e a família moravam em Belém (PA) e chegaram ao abrigo Buenos Aires, no dia 03 de novembro deste ano. A criança já estava bastante debilitada e com alguns hematomas no corpo. A família foi orientada a buscar os cuidados médicos, no entanto, buscaram inicialmente tratamento religioso e ao ser encaminhado ao hospital, não resistiu aos sinais de maus-tratos e acabou falecendo.

Ao tomar conhecimento do caso, o I Conselho Tutelar foi acionado pela Gerência de Direitos Humanos da Semcaspi. As acusadas prestaram depoimentos na Central de Flagrantes. A Semcaspi reforça que está prestando toda assistência necessária à família, inclusive, o suporte para o enterro da criança, que aconteceu ontem, (16), no Cemitério da Santa Cruz, no Bairro Promorar, zona Sul, além da disponibilização de psicólogos, e ressalta que ainda está colaborando com as informações necessárias para a investigação do caso.

Próxima notícia

Dê sua opinião: