PANDEMIA

Coronavírus: Firmino faz videoconferência com Bolsonaro e Ministro da Saúde

Prefeitos das capitais brasileiros pedem criação de Comitê para gerir pandemia de Coronavírus


Prefeito Firmino Filho durante transmissão ao vivo no Instagram

Prefeito Firmino Filho durante transmissão ao vivo no Instagram Foto: Reprodução/Instagram

A instalação imediata de um Comitê Interfederativo para gerir a crise instalada pela pandemia do coronavírus. Esse foi o pedido do prefeito Firmino Filho e demais prefeitos das capitais brasileiras durante videoconferência com o Presidente da República, Jair Bolsonaro, e Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, neste domingo (22).

Segundo o prefeito, que também é segundo vice-presidente da Federação Nacional dos Prefeitos (FNP), a instalação do comitê possibilita a troca de informações e compartilhamento de decisões, o que propiciará ações mais eficazes para o país, respeitando as competências institucionais e legais.

“Enviamos um documento ao Presidente reivindicando um canal de diálogo permanente entre a União, Estados e Municípios, especialmente sobre algumas ações que não são precisamente da área da saúde”, destacou.

Os prefeitos também pediram apoio aos municípios com disponibilização de recursos, e que a distribuição leve em consideração a prevalência do número de pacientes infectados e a estrutura médico hospitalar disponível nas cidades.

“Destacamos a necessidade de equipamentos, UTIs, ventiladores mecânicos, assim como também recursos de natureza financeira. Essa grave crise vai sobrecarregar nossa rede hospitalar e os municípios precisam estar devidamente autorizados a tomar medidas necessárias para atuar nesse enfrentamento”, acrescentou o prefeito de Teresina.

Na ocasião, o Ministro e o Presidente ouviram todas as recomendações e sugestões dos prefeitos e mostraram compromisso em dar sequência aos planos de contingência que foram feitos em sintonia com o Ministério da Saúde. Luiz Henrique Mandetta informou ainda que está fazendo o possível para atender as cidades com os estoques de equipamentos de proteção individual (EPIs) para os profissionais de saúde.

Próxima notícia

Dê sua opinião: