Prefeitura intensifica monitoramento de áreas de risco

Ao todo, 36 pontos foram monitorados com a chegada do período chuvoso


Equipe da SDU em ação

Equipe da SDU em ação Foto: Ascom/Arquivo

Com o início do período chuvoso, começa a preocupação com os possíveis desaterres em áreas de risco. Por isso a Prefeitura de Teresina está realizando o monitoramento para identificar áreas de risco a fim de evitar tragédias. Somente a Superintendência de Desenvolvimento Urbano (SDU) Centro Norte, através da Gerência de Habitação, fez o levantamento de 11 bairros e 25 localidades que merecem mais atenção nesta época.

De acordo com o levantamento, foram identificados pontos críticos nos bairros Água Mineral, Vila Risoleta Neves (área de encosta), Vila Cristalina; Mocambinho: Vila Mocambinho I, II e III, Vila Firmino II, Vila São Francisco Norte, Vila São José; Ilhotas: Vila Ferroviária; Poty Velho: Áreas próximas ao Rio Poti e Lagoas; Nova Brasília: Vila Santa Helena (área próxima a lagoa); Mafrense: Rua Cristo Rei e Manoel Aguiar, áreas próximas a lagoas e outros.

O trabalho de monitoramento das áreas é realizado em conjunto com a Defesa Civil do Município, órgão ligado a Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) e tem como foco principal casas, barracos ou outras edificações com suspeita de risco de desabamento.

Quando necessário, as famílias atingidas são encaminhadas para os programas de assistência social do município, gerenciados pela Semcaspi. Caso sejam dirigidos ao Família Solidária, por exemplo, os moradores indicam um familiar ou amigo para lhe receber e a Prefeitura repassa uma ajuda de custo no valor de R$ 250. Através dos programas, a família também recebe cesta básica, kit limpeza e kit acolhimento.

O superintendente da SDU Centro/Norte, Weldon Bandeira, destaca a importância do trabalho. “Foram mapeadas algumas áreas aqui na zona Norte, no sentido de identificar os possíveis riscos de desastres com famílias nestes locais. Esse trabalho é importante, na medida em que é feito junto com a Defesa Civil e os casos mais graves são encaminhados aos programas sociais do município”, conclui.

  

Fonte: SDU

Próxima notícia

Dê sua opinião: