SINTETRO

Greve dos ônibus continua, mas 70% da frota voltará a circular no horário de pico

Sindicato afirma que greve dura até hoje devido a demissão de mais de 300 trabalhadores e pela falta de acordo entre patronato e a categoria


Ônibus circular

Ônibus circular Foto: Alinny Maria/Piauí Hoje

O Piauihoje.com conversou com Francisco Sousa, Secretário de Previdência e Assistência Social do Sintetro neste sábado (04). Ele esclareceu que na próxima terça-feira (7) parte dos ônibus sairão das garagens para garantir o direito ao serviço para os teresinenses. 70% da frota estará nas ruas durante o horário de pico. Esse total se reduzirá a 30% no entrepico.

Segundo Francisco, a Superintendência Municipal de Trânsito e Transportes (STRANS) deve emitir ordem de serviço com o total de veículos baseado nas porcentagens acima.

"Quero esclarecer que existe uma recomendação do Ministério Público do Trabalho (mpt-pi), na pessoa do Dr. João Batista Machado, em que diz que a greve continua, porém existe orientação para aumento da frota de ônibus no período de greve, que é de 70% no horário de pico e 30% no entrepico. O retorno das atividades para aumentar essa frota é de imediato, mas os trabalhadores estão apenas aguardando uma ordem de serviço da STRANS, pois é quem fará o cálculo dos ônibus", explicou.

Ainda conforme o secretário, os motivos para que a greve venha se arrastando há mais de 40 dias na capital é que não há acordo entre a categoria e o setor patronal e também o fato de que mais de 300 trabalhadores foram demitidos desde o início da pandemia sem as devidas verbas indenizatórias.

 "Até agora não teve nenhum acordo entre patrão e trabalhadores, uma vez que empresários estão é querendo retirar benefícios da categoria como ticket alimentação, não pagamento do plano de saúde e também o não cumprimento da medida provisória 936. Por esses fatores e outros, como a demissão injustificável de mais de 300 trabalhadores sem o pagamento completo da rescisão, que a greve perdura até a hoje", informou.

Próxima notícia

Dê sua opinião: