Lives do conhecimento
EVENTO

I Jornada Fotografias e Coleções, do Cehibra, festeja Nabuco e outros nomes

No dia 19, o mundo celebra o Dia da Fotografia e, o Brasil, o aniversário do abolicionista pernambucano. Evento será transmitido no canal da Fundaj, no YouTube, das 10h às 17h30


Evento

Evento Foto: Fundaj

O diplomata e abolicionista pernambucano Joaquim Nabuco (1849—1910) foi um grande amante da fotografia, fosse no foco ou atrás das câmeras. No dia 19 de agosto, quando festejamos seu aniversário, o mundo celebra também o Dia Mundial da Fotografia. Nesta data, a Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), por meio do seu Centro de Documentação e Estudos da História Brasileira (Cehibra), promove a I Jornada Fotografias e Coleções. A iniciativa contará com quatro mesas de debate, convidados especiais e transmissão no canal da Fundaj, no YouTube, entre as 10h e as 17h30.

Quem destaca a relação do patrono da Instituição com a fotografia é a coordenadora do Cehibra, Betty Lacerda. “Joaquim Nabuco gostava de ser fotografado, frequentava estúdios de fotografia tanto no Brasil quanto no exterior. Percebemos que registros de família e de sua vida pública são assinados por grandes e conhecidos fotógrafos das casas mais importantes de São Paulo, do Rio de Janeiro e do Recife”, aponta. “No livro ‘Minha formação’, ele escreve que gostaria de ter voltado ao Engenho Massangana [onde viveu até os oito anos, no Cabo de Santo Agostinho] com a sua Kodak.”

Pesquisadora do Cehibra, Cibele Barbosa amplia o panorama sobre esta relação às 10h, na mesa ‘A fotografia entre o público e privado: o retrato na Belle Époque’. “Nabuco tem uma centralidade porque viveu o tempo no qual a fotografia surgiu e se reproduz no Brasil. Ele foi um observador do Século XX, muito atento ao poder desse recurso, às possibilidades do retrato, em diferentes formatos e técnicas”, adiciona Cibele. Ainda nesta mesa, a também pesquisadora Rita de Cássia Araújo, da Fundaj, esmiúça as características e contexto social dos retratos da Coleção Francisco Rodrigues.

Numen Produtora abre inscrições para oficina audiovisual gratuita em Teresina

Lançamento do Projeto Curso de Saberes do Ofício da Baiana de Acarajé em Teresina/PI.


Atribuída ao francês Joseph Nicéphore Niépce, o primeiro registro fotográfico data de 1826. Quase dois séculos depois, o recurso transformou o mundo, seja por ampliar a percepção da humanidade no aspecto antropológico ou pela sua presença no cotidiano, dos eventos familiares às recentes redes sociais. Na Jornada, os participantes apresentarão um panorama de estudos e trabalhos voltados ao fazer fotográfico em diversos tempos e lugares. Com diversas coleções de fotógrafos e colecionadores, o Cehibra detém atualmente aproximadamente 250.000 documentos fotográficos.

Às 11h30, a segunda mesa reflete ‘A paisagem fotografada: olhares estrangeiro’s. Para ela, recebemos a coordenadora do curso de Fotografia da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), Renata Víctor, especialista em Fotojornalismo, que reflete sobre o olhar do francês Edmond Dansot. Já a historiadora Fabiana Bruce, da Universidade Federal Rural de Pernambuco, comenta a história e obra do letão Alexandre Berzin, desde o país natal até as ruas recifenses dos Anos 1950. Dansot e Berzin ajudaram a contar a história da capital pernambucana através da foto. A mediação é de Sylvia Couceiro, também pesquisadora da Casa.

As religiosidades de matrizes africanas integram a programação da terceira mesa, ‘Ruas e Ritos sob o olhar fotográfico’, às 14h, com mediação do pesquisador da Fundaj Rodrigo Cantarelli. Especialista em temas que envolvem o debate racial, a pesquisadora Rosalira Oliveira reflete a alteridade nos registros da Coleção Rucker Vieira. Enquanto Sylvia Couceiro amplia o debate para os percursos afrodescendentes na fotografia. Nesta mesa, o quadro é completado pela fotógrafa Roberta Guimarães, que compartilha processos na construção da Coleção Agô, doada ao Cehibra em 2019.

Quem enxerga a fotografia como objeto estático não pode perder a quarta e última mesa da edição de estreia do Jornada. ‘Cidade e andanças fotográficas’ discute as percepções sobre o espaço-tempo do território, evidenciadas em coleções como as de Benício Dias, Ecletismo e Wilson Carneiro da Cunha. São mudanças estruturais, como reformas, extinção de monumentos e investigações arquitetônicas. Com mediação de Cibele Barbosa, a mesa recebe às 16h, os arquitetos e pesquisadores Cristiano Borba e Rodrigo Cantarelli, além da historiadora Rita de Cássia. Todos pesquisadores da Fundaj.

Para Rita de Cássia, fotógrafos como Benício Dias conseguiram algo que está além do documental e recordativo. “Ele domina a arte de saber ver e fixar o imponderável das coisas. No Século XX, Dias percebe as contradições urbanas do Recife, uma metrópole regional e periférica”, atiça a historiadora. No último ano, Rodrigo Cantarelli lançou o catálogo Historicismos na arquitetura dos subúrbios recifenses, em que apresenta um recorte da Coleção Ecletismo. São mais de 1,3 mil negativos, presentes no setor de iconografia da Instituição, dos quais o pesquisador selecionou 302.


PROGRAMAÇÃO COMPLETA

10h-11h
Mesa I- A fotografia entre o público e privado: o retrato na Belle Époque
Boas-vindas - diretoria da DIMECA
Joaquim Nabuco e a fotografia - Cibele Barbosa (Cehibra-Fundaj)
2. O retrato na coleção Francisco Rodrigues - Rita de Cássia Araújo (Cehibra-Fundaj)
Mediação: Albertina Malta (Cehibra-Fundaj)

11h30-12h30
Mesa II- A paisagem fotografada: olhares estrangeiros
Edmond Dansot: o olhar de um francês sobre a paisagem - Renata Víctor (Unicap)
Alexandre Berzin: da Letônia para as ruas do Recife - Fabiana Bruce (UFRPE)
Mediação: Sylvia Couceiro (Cehibra-Fundaj)

14h-15h30
Mesa III- Ruas e Ritos sob o olhar fotográfico
Imagens da alteridade: as religiões afro na coleção Rucker Vieira - Rosalira Santos (Cehibra-Fundaj)
Percursos afrodescendentes na fotografia - Sylvia Couceiro (Cehibra-Fundaj)
3. Cores e religiosidades na coleção Agô - Roberta Guimarães (fotógrafa)
Mediação: Rodrigo Cantarelli (Cehibra-Fundaj)

16h-17h30
Mesa IV- Cidade e andanças fotográficas
Benício Dias e os retratos de uma cidade em transição - Rita de Cássia Araújo (Cehibra-Fundaj)
Wilson Carneiro da Cunha e os martírios de um bairro – Cristiano Borba e Cibele Barbosa (Cehibra-Fundaj)
Registros fotográficos e arquitetônicos de uma cidade eclética - Rodrigo Cantarelli (Cehibra-Fundaj)
Mediação: Cibele Barbosa (Cehibra-Fundaj)

Serviço
I Jornada Fotografias e Coleções
Centro de Estudos da História Brasileira (Cehibra)
Data: 19 de agosto
Horário: 10h às 12h e 14h 16h10
Transmissão no canal da Fundaj, no YouTube

Fonte: Ascom FUNDAJ

Próxima notícia

Dê sua opinião: