GREVE

30 dias de Greve Geral dos Trabalhadores(as) da Educação no Piauí

Acampamento da resistência permanece fortalecido enquanto não houver negociação


Greve

Greve Foto: Socorro Silva

Com adesão de 90% dos trabalhadores e das trabalhadoras no estado do Piauí, a Greve da Educação continua forte, e nesta manhã de terça-feira dia 10 de março de 2020, contou com o apoio dos sindicatos filiados a central, que mostraram o quanto a unidade na luta é importante.

Socorro Silva-CUT-PI

Socorro Silva-CUT-PI

Socorro Silva-CUT-PI

Sindicatos que compareceram nesta terça: Bancários, APCEF, Comerciários, Confecções, Hoteleiros, Sinttel, Municipais, e os demais visitaram o acampamento em horários alternados.

ISocorro Silva-CUT-PI

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação (SINTE) exige um reajuste salarial de 12,84%, mas o governo propõe reajuste em forma de auxílio alimentação. Nesta terça-feira dia 10 de Março de 2020, completam exatos 30 dias, e a adesão cresce chegando a 90%, ficando a luta cada vez mais fortalecida com a mobilização que está sendo feita pelo comando de greve, visitando escolas, e as unidades regionais que já aderem somando em defesa dos seus direitos. 

A Central Única dos Trabalhadores - CUT-PI, está acompanhando e apoiando a greve da educação, por ser um movimento legitimo, e legal.

ISocorro Silva-CUT-PIPaulo Bezerra Foto: Socorro Silva

Paulo Bezerra - Presidente da CUT-PI:"Os trabalhadores estão cansados de esperar, o débito que o governador tem com a educação vem de 2019, nós estamos apenas buscando a reparação, nós da CUT estamos presentes aqui desde o princípio, desde a realização das assembleias para deflagrar ou não a greve, mas as negociações nos empurraram para essa greve, nós hoje deparamos com uma situação muito dificil, por isso é muito importante a unidade de classe, a unidade na luta". Disse.

 

CUT-PI lança  Manifesto no acampamento da resistência dos Trabalhadores da Educação:

"MANIFESTO CUT PIAUÍ"

 

18 de março dia Nacional de lutas e paralisações em defesa dos serviços públicos, dos empregos,  dos direitos, da democracia e pela educação. O governo Bolsonaro com o apoio de muitos governadores, tem atacado violentamente os direitos conquistados pela classe trabalhadora com muita luta e por muita gerações. Estão transformando o Brasil em quintal de interesses dos grandes especuladores, destruindo a economia e criando um paraíso para os mais ricos e um inferno para os mais pobres e massacrando as classes médias. 

Aumentando o custo de vida, gás, carne, luz, combustível, eliminando o acesso ao crédito e reduzindo drasticamente  a possibilidade de produção, etc., e com isso acaba  diminuindo  a renda das famílias, destruindo o emprego e serviços públicos, cortando orçamentos públicos, entregando nossas riquezas e produzindo miséria.  Para esse governo a melhor política são trabalhadores e trabalhadoras não terem direitos.

Estão atacando brutalmente nossos direitos desde o golpe de 2016. Hoje temos mais de 12 milhões de desempregados e outros milhões que desistiram de procurar empregos, indo para informalidade e engrossando tambem as filas de pedido de acesso à programas sociais, os quais já estão super reduzidos, como benefícios do INSS e bolsa família.

O governo está desviando dinheiro de conquistas sociais e trabalhistas, para entregar à especulação financeira,  bancos privados, tirando o estado da condução das políticas públicas como educação,  saúde,  moradia e assistência social. É  um governo que só atende aos interesses do 1% mais ricos e seus altos burocratas. Estamos nos tornando a cada dia uma nação mais empobrecida e submissa. As reformas só trazem arrocho  e mais precarização.

Agora a bola da vez são os serviços e servidores públicos de todas as esferas: municipais, estaduais e federais, não reconhecendo a importância dessa categoria para o desenvolvimento do nosso país. Precisamos dizer não a tudo isso indo às ruas dia 18 de Março de 2020, junto com a população.

A democracia clama por nossa LUTA.

Paulo Bezerra  - Presidente  da CUT PIAUÍ.

Próxima notícia

Dê sua opinião: