Agito Cultural
MÚSICA

Luizão Paiva lança 1º album intitulado "Avoante"

Bacharel em composição, arranjo e performance pela aclamada Berklee College of Music, EUA, em 1980, Luizão apresenta nesse álbum 100% instrumental e autoral


Luizão Paiva

Luizão Paiva Foto: Divulgação

No dia 05/03/2021, a partir das 15h, haverá o lançamento em todas as plataformas de streaming do 1º álbum do pianista Luizão Paiva (1950) intitulado “Avoante”: gravado originalmente em 1986 no Rio de Janeiro, mas lançado em Compact Disc apenas em 1996 com recursos da Lei A. Tito Filho, Teresina-PI.

Bacharel em composição, arranjo e performance pela aclamada Berklee College of Music, EUA, em 1980, Luizão apresenta nesse álbum 100% instrumental e autoral a soma de suas experimentações sonoras resultantes das mais diversas influências recebidas ao longo de suas vivências musicais, tendo iniciado ainda na primeira infância os estudos de piano sob orientação da maestrina Adalgisa Paiva, sua avó a quem o músico dedicou a referida obra (in memoriam).

As faixas “Mafuá”, “No Limoeiro” e “Avoante” remontam toda a energia e ambientação de sua infância em sua Terra Natal, Teresina, com materiais harmônicos, melódicos, rítmicos aglutinando referências jazzísticas, música de concerto contemporânea e, claro, da música (e suas paisagens) tipicamente brasileiras.

A balada jazz “Tema de Adalgisa (Dukevans)” reúne a energia do solo do pianista contrastada com os cellos de Jaques Morelembaum reforçando a flutuação harmônica do tema, tal como na faixa “Intro (Bartokiana)”.

O experimentalismo sonoro também está presente na faixa “Quebra chifre (Gershwiniana)” com ataques em cluster e texturas que ressaltam elementos do free jazz.

O staff de músicos que acompanham Luizão no álbum também merece grande destaque: além de Jaques Morelembaum no cello, temos João Pedro Dias (Didito) na guitarra; Guilherme Maia no contrabaixo elétrico; Marcos André Seraphini (Dôtô) na bateria; Marcelo Costa e Walter Erismann na percussão; Fernando Moura nos teclados; Ricardo Pontes, Ricardo Mattos e Marcelo Bernardes nos saxes e flautas. O primoroso trabalho de gravação e mixagem foi realizado por Toninho Barbosa (gravado no estúdio Rancho e mixado no Transamérica estúdio, Rio de Janeiro).

Eis aqui uma obra prima da música instrumental brasileira, desta feita acessível para todo o mundo!

Por Thiago Cabral (Doutor em Música, IFPI).

Fonte: Dina Magalhães

Próxima notícia

Dê sua opinião: