Workshop debate hiperatividade e déficit de atenção na infância

O debate vai ser realizado neste sábado pelo Sindicato dos Médicos do Estado do Piauí


Capacitação

Capacitação Foto: Ascom

O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é um transtorno neurobiológico, de causas genéticas, que aparece na infância e freqüentemente acompanha o indivíduo por toda a sua vida.  Desempenhando seu papel social, o Sindicato dos Médicos do Estado do Piauí (SIMEPI) realizará neste sábado, dia 11 de maio, workshop "TDAH nas escolas: da identificação à conduta". O evento é gratuito para professores de escolas públicas e privadas de Teresina, será de 8h às 12h e contará com carga horária de 4h.

Também chamado às vezes de DDA (Distúrbio de Déficit de Atenção), se caracteriza por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade. Para falar deste assunto, o SIMEPI receberá os médicos Maurício Santos (Psiquiatra da infância e adolescência) e Samuel Rêgo (psiquiatra e terapeuta do comportamento).

Para o psiquiatra Samuel Rêgo, também presidente do SIMEPI, o TDAH traz prejuízos para o indivíduo desde o período escolar, acarretando um desempenho ruim, levando a repetências e dificuldades com as relações interpessoais. "Esse transtorno se inicia ainda na infância e persiste por toda a vida. Quando não diagnosticado e tratado precocemente, a criança vai crescer com as consequências negativas desse transtorno, muitas vezes sendo estigmatizada como mal-educada ou preguiçosa. A partir do momento que é feito o diagnóstico e tratamento, a criança tende a conseguir superar essas limitações", explica.

Sobre o tratamento, Samuel Rêgo explica que não é totalmente à base de remédios, mas aplicando intervenções cientificamente comprovadas. "O tratamento não é medicamentoso em sua totalidade, mas sim multidimensional. São abordados pontos como a medicação, treinamento com pais de como lidar com a parte comportamental, abordagem dentro das escolas, para que os profissionais da educação saibam reconhecer e lidar com as situações que envolvem a criança e a família", enfatiza.

Ele é o transtorno mais comum em crianças e adolescentes encaminhados para serviços especializados. Ele ocorre em 3 a 5% das crianças, em várias regiões diferentes do mundo em que já foi pesquisado. Em mais da metade dos casos o transtorno acompanha o indivíduo na vida adulta, embora os sintomas de inquietude sejam mais brandos.

Já existem inúmeros estudos em todo o mundo – inclusive no Brasil – demonstrando que a prevalência do TDAH é semelhante em diferentes regiões, o que indica que o transtorno não é secundário a fatores culturais (as práticas de determinada sociedade, etc.), o modo como os pais educam os filhos ou resultado de conflitos psicológicos.

As inscrições para o workshop "TDAH nas escolas: da identificação à conduta" é gratuito e podem ser feitas pelo número (86) 3221-5624 ou na sede do SIMEPI, localizada na Rua Vereador Luís de Vasconcelos, 550 - São Cristóvão. No dia do evento, é necessário levar 1 kg de alimento não perecível para doação.

Com informações da Assessoria de Comunicação do SIMEPI e da ABDA (Associação Brasileira do Déficit de Atenção)

Fonte: Magnum Rogeres

Próxima notícia

Dê sua opinião: