PANDEMIA

Wellington Dias não autoriza retorno de novos setores após aumento de mortes por Covid

Governador irá reforçar medidas de isolamento e ampliação da rede de saúde


Governador Wellington Dias e secretário Florentino Neto

Governador Wellington Dias e secretário Florentino Neto Foto: Divulgação

O Governador Wellington Dias e o Comitê Covid-19 no Piauí se surpreendeu com aumento na taxa de transmissão do novo coronavírus, que saiu de 0,9 para 1,3, tendo estimativa de 134 mil pessoas infectados no Estado. Segundo o gestor, havia uma esperança de que esse índice diminuísse. 

Com isso, decidiu não autorizar a retomada de novas atividades econômicas. Ele julga necessário reforçar as medidas atuais de isolamento social e trabalhar no fortalecimento da rede de saúde. Ele discutiu as próximas estratégias em reunião, por videoconferência, com o Comitê de Operações Emergenciais (COE) para o coronavírus, bem como representantes da APPM e da Prefeitura de Teresina.

“A pesquisa do Amostragem mostrou que ainda há crescimento no número de casos, em torno de 34%, enquanto a perspectiva era que a queda fosse maior, mas não foi isso que aconteceu. Em meio a isso, continuaremos com os mesmos regramentos, sem alteração nas estratégias, com as barreiras sanitárias e o Programa Busca Ativa”, afirmou o chefe do executivo estadual.

A mesma pesquisa também aponta que para cada caso de Covid positivado há 15 subonotificações no Piauí e que o distanciamento social no estado caiu para 48% em relação aos últimos relatórios e a reprodutibilidade de infecção encontra-se em 1,3, ainda fora do ideal, implicando que a epidemia está em fase ascendente.

“No último final de semana, não obtivemos uma boa taxa de isolamento e isso é grave, pois estamos tendo um crescimento no número de óbitos, exigindo uma atenção maior, já que temos um problema nas condições para implantação de novos leitos e na contratação de novos profissionais. Isso nos impõe ainda a necessidade de um diálogo para encontrar uma solução e evitar o colapso”, ressaltou Wellington Dias lembrando ainda a dificuldade na aquisição de medicamentos.




Próxima notícia

Dê sua opinião: