GOLPE

Vereadora de Santa Rosa tem mandato cassado por aplicar golpe do Auxílio Emergencial

A vereadora Patrícia Oliveira (PP), foi acusada de ficar com o benefício de um cidadão


Vereadora Patrícia Oliveira (PP), de Santa Rosa

Vereadora Patrícia Oliveira (PP), de Santa Rosa Foto: Arquivo pessoal

Durante sessão plenária nessa terça-feira (29) a Câmara Municipal de Vereadores de Santa Rosa do Piauí, município situado a 280 km de Teresina, cassou o mandato da vereadora Patrícia Oliveira (PP). Ela é acusada de aplicar o golpe do Auxílio Emergencial contra um morador que teria pedido ajuda à parlamentar para solicitar o benefício. O homem acusou a vereadora de ficar com todo o dinheiro.

Estiveram presentes os vereadores Karlos Junior, Antônio de Constâncio, Dinar Lima, Ricardo Messias, Luiz de Henrique, Geraldo Soares. Já os vereadores Renildo Bezerra, Everaldo Rodrigues ("Dão"), e a acusada Patrícia Oliveira não compareceram. A sessão começou com a Leitura do parecer pelo relator Geraldo Soares, depois a defesa da vereadora através do advogado Dr. Vinicius, após isso houve o pronunciamento dos Edis presentes, e por último a votação.

Foram seis votos a favor da cassação de Patrícia e  nenhum voto contra, havendo três abstenções. A vereadora Patrícia Oliveira teve seu mandato cassado por 2/3 dos votos da casa votarem a favor. Ela agora perde o mandato de vereadora e fica com seus direitos políticos suspensos por cinco anos.  A Câmara vai empossar o suplente Maria Vieira (PTB), nesta sexta-feira, 4 de outubro de 2020.

Entenda o caso

A vereadora Patrícia Oliveira foi denunciada pela Secretaria de Assistência social de Santa Rosa ao Ministério Público Federal com sede na cidade de Floriano, acusada de aplicar golpe no auxílio emergencial de um senhor identificado como Gilberto Sousa da localidade Bom Jardim.

Ele relatou ao CRAS que encaminhou sua documentação por um homem identificado como "Toinho" para que a vereadora fizesse o cadastro. Na denúncia, consta que a vereadora Patrícia teria pago, com a segunda parcela do benefício da vítima, três boletos, sendo um no valor de R$ 300,00, outro no valor de R$ 207,00 e ainda outro no valor de R$ 93,00. Já com a terceira parcela que foi creditada em 01 de julho de 2020, a Vereadora teria feito um pagamento do tipo débito elo (máquina de cartão de debito) no valor de R$ 600,00.

Todas as transações foram realizadas sem o consentimento do senhor Gilberto que a denunciou na sede do CRAS Santa Rosa do Piauí. A denúncia também foi encaminhada a Polícia Civil.

Próxima notícia

Dê sua opinião: