GOVERNADOR

"Entrego a Deus", diz Wellington Dias após Damares pedir prisão de governadores

Damares criticou governadores e prefeitos por adoção de medidas rígidas para o enfrentamento ao Covid-19


Governador Wellington Dias

Governador Wellington Dias Foto: Reprodução

O Governador do Piauí, Wellington Dias (PT), veio a público responder às críticas feitas pela ministra Damares Alves durante reunião ministerial realizada há exatamente um mês e que foi divulgada nesta sexta-feira (22) via decisão do Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello. Em uma trecho do vídeo divulgado, a ministra Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) tece críticas aos governadores e prefeitos do Brasil por terem adotado medidas duras no enfrentamento ao novo coronavírus.

Ela cita nominalmente o governador ao dizer que Dias assinou decreto permitindo a entrada de policiais em residências sem mandado. O gestor lamentou e explicou o que aconteceu.

"É lamentável essa declaração da ministra e mais do que isso, sempre a tratamos com todo o respeito do Piauí. Eu entrego a Deus para que cuide dela, agora na época fizemos aqui um decreto que tinha como base a lei federal 13.789. Era essa lei que exigia que os Estados para ter acesso aos recursos da área da emergência, a gente vivia uma situação de enchentes, e para atender os municípios mandaram uma minuta e eu assinei de boa fé. A OAB nos alertou e imediatamente fiz a alteração. No Piauí a área da Segurança só entra numa casa para salvar vidas", afirmou.

Estudo realizado por Jefferson Leite, professor-doutor do núcleo de Matemática da Universidade Federaldo Piauí (UFPI), estima que foram exatamente as medidas adotadas em consonância entre o governador Wellington Dias e o prefeito de Teresina, Firmino Filho, que evitaram a morte de pelo menos 600 pessoas só na capital. Essas foram as medidas que Damares criticou na reunião ministerial.

Matérias relacionadas

Isolamento social evitou morte de pelo menos 600 pessoas em Teresina, diz matemático

Assista vídeo de reunião ministerial citada por Moro e liberada por Celso de Mello

Próxima notícia

Dê sua opinião: