Empresas que forem se instalar no PI terão que ter protocolo de responsabilidade social

O arcebispo de Teresina, Dom Jacinto Rocha contou que a missão da Igreja Católica é cuidar das pessoas


Reunião com moradores

Reunião com moradores Foto: Ascom

As grandes empresas que solicitarem autorização para se instalarem no Piauí terão que apresentar projeto de responsabilidade social para as comunidades das áreas próximas. A vice-governadora Regina Sousa é a quem está dialogando com a direção das empresas. Na última terça-feira, 28, ela se reuniu com o arcebispo de Teresina, Dom Jacinto Rocha e os bispos da Regional Nordeste IV,  no povoado Baixio dos Belos, em Curral Novo, para discutir os impactos causados pelos grandes empreendimentos no Piauí.

Na reunião, os moradores relataram os problemas causados pelas grandes empresas. A professora Sandecleia Modesto, do grupo de mobilização social pela Serra do Inácio, disse que mais de 300 famílias foram obrigadas a deixar a terra em que viviam há anos. E os casos mais alarmantes foram os de indenizações. “ Teve família que recebeu R$ 3 e o pior que isso foi autorizado por um juiz.”  professora relatou que houve muito desrespeito e até ameaças às famílias com a chegada dos grandes empreendimentos na Serra do Inácio e no entorno. 

E há casos em que depois de 10 anos, as famílias ainda não receberam um centavo pela terra. Maria Moracy,  morava na zona rural de Curral Novo com duas filhas, teve que sair em 2007 e ainda não recebeu a indenização. Ela contou que representantes da empresa de mineração a procuraram e disseram que teria que desocupar a área, mas seria indenizada. Relatou que foi morar no povoado Baixio dos Belos com a promessa de que a empresa construiria a casa, mas isso não aconteceu. “ Até agora não recebi um centavo pelas terras. “

Regina Sousa informou que o Estado será o mediador entre as empresas que solicitarem autorização para se instalarem e os moradores das áreas. E todas terão que apresentar protocolo social, informando quais os projetos sociais que irão desenvolver no Piauí. “ Tenho recebido muitos representantes de empresas que querem se instalar no Estado e a todos pergunto o que vão fazer para deixar a vida das pessoas melhor.” A  vice-governadora alertou para os que querem enganar os moradores. São os que compram as terras por preços irrisórios e depois repassam para as empresas a preços bem maiores.

O arcebispo de Teresina, Dom Jacinto Rocha contou que a missão da Igreja Católica é cuidar das pessoas. “ Não se pode cuidar bem se não conhece.” E por isso é preciso ouvir as pessoas. Dom Plínio José, bispo de Picos, ressaltou a participação das mulheres na luta contra os impactos causados pelas grandes empresas, pois elas conseguem sentir mais rápido os problemas. E a missão da Igreja é ouvir o povo.  E durante dois dias, o arcebispo, bispos e padres se reuniram com moradores de comunidades de Paulistana, sobre os impactos da Ferrovia Transnordestina, de Curral Novo, sobre os problemas causados pelo projeto de mineração e Ferrovia Transnordestina, e ainda visitaram uma casa de farinha, na Vila do Mel, em Betânia do Piauí. 

Os representantes da Igreja Católica encerraram a programação com a apresentação do plano de ação do grupo de trabalho da Romaria da Terra e conversa com os moradores da  Serra do Inácio impactados pela Energias Eólica e Solar, e do projeto Bem Viver no Semiárido, da Cáritas Diocesana de Crato e o grupo de Mobilização Social da Serra do Inácio.

Fonte: Ascom

Próxima notícia

Dê sua opinião: