FRAUDE NO INSS

Polícia Federal faz operação contra fraudes em benefícios do INSS no Piaui e Maranhão

Segundo a PF, as fraudes eram possíveis graças a participação de um servidor do INSS


PF deflagra operação no PI e MA para reprimir crimes contra o sistema previdenciário

PF deflagra operação no PI e MA para reprimir crimes contra o sistema previdenciário Foto: Divulgação

Agentes da Polícia Federal estão nas ruas desde o início da manhã desta segunda-feira (21/09) para cumprir oito mandados judiciais contra suspeitos de fraudar o sistema previdenciário nacional no Piauí e Maranhão. O grupo é investigado por concessão ilegal de diversos benefícios de pensão de morte e auxílios-maternidade. Entre os investigados, está um servidor do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) lotado em Tutóia, no Maranhão.

No Piauí, os mandados de busca e apreensão ocorrem na cidade de Luzilândia, no Norte do estado, de onde o servidor do INSS é natural. No Maranhão, as equipes estão em Mata Roma e Tutóia. A ação faz parte da Operação Urbsluzia, que constatou o grupo já causou prejuízo no valor R$ 1,8 milhões aos cofres públicos. Quando calculado  os pagamentos indevidos que serão evitados com a suspensão dos benefícios fraudulentos, o valor sobe para R$ 4,2 milhões.


Segundo a PF, o crime só era possível graças à participação de um  servidor do INSS que atua na concessão de benefícios e que não teve o nome revelado. "A fraude consiste em inserção de dados fictícios em processos montados a partir de falsos beneficiários cooptados por familiares do técnico do seguro social. O grupo conta com apoio de policial militar para dar segurança no momento dos saques dos valores retroativos, em sua maioria grandes somas em espécie retiradas na rede bancária", diz a nota da Polícia Federal. 

A investigação é realizada no âmbito da Força-Tarefa previdenciária, composta pela Polícia Federal, Ministério Público Federal e Núcleos Regionais de Inteligência Previdenciária e Trabalhista. Segundo a PF, o monitoramento eletrônico, através de tornozeleira rastreável, será instalado em sete dos investigados.

O nome da Operação, "Urbsluzia" faz alusão ao município onde eram cooptados os pretensos beneficiários em nome dos quais eram implementados os benefícios fraudulentos.

Em breve mais informações!

Próxima notícia

Dê sua opinião: