Polícia

Loja é interditada e duas pessoas presas por venda de celulares roubados

Um dos investigados havia sido preso em outra fase da Operação Interditatos

Da Redação

Quinta - 29/02/2024 às 17:17



Foto: Secretaria de Segurança Pública Loja física é interditada pela Polícia Civil em Teresina
Loja física é interditada pela Polícia Civil em Teresina

Duas lojas, uma física e outra virtual, foram interditadas e dois homens presos, nesta quinta-feira (29), durante a 13º  fase da Operação Interditados, em Teresina. A ação visa desarticular lojas especializadas no comércio de celulares com restrição de roubo ou furto. Além das prisões, foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão.

Vendedor de celulares roubados comercializava produtos pelo instagram
 

De acordo com a Superintendência de Operações Integradas da Secretaria de Segurança Pública, a loja física, situada na zona Sul de Teresina, teve suas atividades suspensas em razão dos indícios da compra e venda de produtos irregulares. A segunda loja, essa virtual,  também teve as atividades econômicas e financeiras suspensas.

Presos vendiam celulares com restrição de roubo
 

A polícia informou ainda que um dos homens, de iniciais I.G.M.P, que já responde na justiça por tráfico de drogas, é investigado por ter comprado um celular com restrição de roubo. Ele foi intimado e, durante depoimento, apresentou uma nota fiscal falsa e uma caixa de Iphone adulterada.

O segundo homem, de iniciais L.K.N.V, também é acusado de vender aparelhos celulares de forma ilegal através do instagram. Ele chegou a ser preso em outra fase da operação.

“A polícia monitora todos os envolvidos e, nos casos de hoje, os dois já tinham passagens pela polícia e por isso pedimos a prisão preventiva. O primeiro tentou induzir a autoridade policial ao erro, apresentando durante o depoimento uma nota fiscal falsa. O segundo já havia sido detido em outras ações pelo crime de receptação, mesmo assim continuou realizando a mesma atividade ilícita nas suas redes sociais”, explicou o coordenador da SOI, delegado Matheus Zanatta.

Siga nas redes sociais

Compartilhe essa notícia: