COVID-19

Wuhan baixa restrições depois de 76 dias, e vive tarde mais emotiva de sua história

Euforia, muitos abraços e lágrimas marcaram o dia em que as pessoas puderam deixar a quarentena na zona zero da pandemia do coronavírus, que parece já ter superado o surto


Atendentes e enfermeiras de um hospital de Wuhan se abraçam

Atendentes e enfermeiras de um hospital de Wuhan se abraçam Foto: Xinhua

Foi pouco mais de 2 meses, que se viveram como coisa de anos, angústia, medo do futuro… Aquele 23 de janeiro de 2020 iniciou um período rigoroso de quarentena na cidade onde surgiu a pandemia do coronavírus, e que agora, 76 dias depois, chega ao seu final.

Sim, nesta quarta-feira (8), o governo chinês oficializou o fim das restrições na cidade, o que permitiu que milhões de pessoas pudessem voltar às ruas.

A jornada foi marcadas por cenas de muita emoção. Em um dos hospitais da cidade, as enfermeiras se abraçavam entre lágrimas. Nas ruas houve euforia e muito barulho, mais abraços, lágrimas e festejos dos mais diversos.

Outro fenômeno foi que os primeiros lugares a observar alta concentração de pessoas foram os aeroportos e terminais de trem e ônibus, além dos pedágios das estradas para sair da cidade. Isso porque muitíssimas das pessoas que se mantiveram em quarentena em Wuhan não viviam por lá, mas acabaram ficando presas quando se iniciou a quarentena, e não puderam voltar para casa.

O reencontro com a normalidade emocionou a todos, mas evidentemente que algumas histórias são ainda mais emocionantes, como a de Hao Mei, uma mulher que vive na cidade de Enshi (também na província de Hubei, 450 km a oeste de Wuhan) com seus dois filhos. Ela estava em Wuhan quando se iniciou a quarentena, e não conseguiu sair a tempo, ficando presa na cidade, com os filhos sozinhos em Enshi.

“No começo, eu chorava todas as noites, tentava ajudá-los por telefone, mas a impotência ainda era grande. Minha filha ainda é muito jovem, tem 10 anos, e teve que cuidar da casa durante todo esse tempo”, conta ela. Nesta quarta-feira, sua batalha foi contra a ansiedade. “Levantei da cama às 4h, não aguentava mais esperar. Me sinto tão bem!”. Segundo as autoridades chinesas, mais de 80 mil pessoas deixaram a cidade somente neste dia.

A cidade de Wuhan tem pouco mais de 11 milhões de habitantes, e registrou quase 50 mil casos confirmados de covid-19 entre o final de dezembro até meados de março. Entre essas, 2,3 mil pessoas faleceram, e pouco mais de 47 mil se recuperaram. Os hospitais da cidade ainda registram 445 que estão sob tratamento, entre os 1,2 mil pacientes em todo o país.

Fonte: Revista Forum

Próxima notícia

Dê sua opinião: