Tesouro Direto registrou vendas líquidas de R$ 1,182 bi em abril

O título mais demandado pelos investidores foi o indexado à Selic (Tesouro Selic), cuja participação nas vendas de abril atingiu 49,8%


Dinheiro

Dinheiro Foto: Reprodução

As vendas líquidas realizadas pelo Tesouro Direto em abril somaram R$ 1,182 bilhão, resultado de vendas totais de R$ 2,609 bilhões menos os resgates de R$ 1,427 bilhão do período. No mês, foram realizadas 490.453 operações de venda de títulos a investidores.

De acordo com o balanço do Tesouro Direto divulgado nesta segunda-feira, 27, o título mais demandado pelos investidores foi o indexado à Selic (Tesouro Selic), cuja participação nas vendas de abril atingiu 49,8%. Os títulos indexados à inflação (Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA+ com juros semestrais) corresponderam a 32,6% do total das vendas e os prefixados, 17,6%.

Com relação ao prazo de emissão, 13,9% das vendas no Tesouro Direto em abril corresponderam a títulos com vencimentos acima de 10 anos. As vendas de papeis com prazo entre 5 e 10 anos representaram 80,5% do total e as com prazo entre 1 e 5 anos, 5,6% do total.

Segundo o balanço, a utilização do programa por pequenos investidores pode ser observada pelo número de vendas até R$ 5 mil, que correspondeu a 85,2% das transações ocorridas no mês. O valor médio da operação foi de R$ 5,321 mil.

Estoque

Com o resultado de abril, o estoque do Tesouro Direto atingiu o montante de R$ 59,3 bilhões, um aumento de 2,95% em relação a março e de 23,95% na comparação com abril de 2018.

O maior volume de títulos do estoque são dos remunerados por índices de preços, 55,6% do total. Em seguida, os títulos indexados pela taxa Selic, com participação de 29,2% do estoque e os prefixados, com 15,2%.

Com relação ao prazo, 15% dos títulos do estoque do Tesouro Direto vencem em até um ano. A maior parte, 34,3%, é composta por títulos com vencimento entre 1 e 5 anos. Outros 32% são de títulos com prazo entre 5 e 10 anos, e 18,8% de papeis com vencimento acima de 10 anos.

Fonte: Noticias ao minuto

Próxima notícia

Dê sua opinião: