EMPREGO

Grupo Algar chega a Teresina e deve ofertar 1 mil vagas de emprego

A instalação da empresa em Teresina está prevista para o primeiro semestre de 2022


Grupo Algar deve se instalar em Teresina no primeiro semestre de 2022

Grupo Algar deve se instalar em Teresina no primeiro semestre de 2022 Foto: Reprodução

O Grupo Algar, que atua no ramo de telemarketing, deve instalar sua primeira unidade em Teresina ainda no primeiro semestre de 2022. A empresa é de Minas Gerais e a expectativa é que sejam gerados mais de mil empregos em Teresina.

A empresa contará com uma política de contratação de pessoas com deficiência e também pessoas que não estão incluídas digitalmente. Esses empregos serão remotos, ou seja, essas pessoas irão trabalhar em suas próprias casas, e caso o colaborador não tenha a estrutura necessária, então será trabalhado, em parceria com a prefeitura, uma proposta de inclusão dessas pessoas que não têm tecnologias, como computador e internet.

O diretor de Operações do Grupo Algar, Marco Aurélio, destaca a importância da parceria com o Município para a inclusão também de pessoas com deficiência, que não possuam qualificação e que não estejam incluídas digitalmente, pois possibilita gerar emprego e renda na cidade.

“Estamos colocando à disposição uma parceria com a prefeitura no sentido de permitir que a gente possa atuar na cidade, especialmente no setor de Contact Center e ter oportunidade de gerar centenas de empregos. Hoje, o Grupo Algar atua em várias cidades do país e nós teremos a oportunidade de estar também em Teresina”, disse o diretor de Operações.

Ainda de acordo com Marco Aurélio, a nova parceria poderá gerar até 1.000 empregos para a capital. “Serão mais de 500 postos de trabalho nos próximos meses, podendo ultrapassar mais de 1.000 empregos. Nós temos alguns clientes com a oportunidade e potencial para se instalar aqui, portanto, nos permite um plano de expansão bastante significativo, não somente na área já proposta, mas também em outras áreas”, finalizou.

Próxima notícia

Dê sua opinião: