MORTES

Imprensa internacional noticia assassinato de mais dois indígenas no Brasil

Os indígenas bloquearam a rodovia BR-226 nos dois sentidos como forma de protesto


Paulo Paulino Guajajara, de 26 anos, era líder do grupo de defesa da Amazônia

Paulo Paulino Guajajara, de 26 anos, era líder do grupo de defesa da Amazônia "Guardiães da Selva" e foi assassinado em novembro de 2019 Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino

Agências de notícias internacionais e o jornal britânico The Guardian deste domingo (8) destacam o assassinato de dois índios da etnia Guajajara em um ataque a tiros no Maranhão neste sábado (7), apenas um mês após a morte de Paulino Guajajara. Além disso, dois indígenas ficaram feridos pelos disparos.

Segundo comunicado da Fundação Nacional do Índio (Funai), os indígenas foram atingidos por disparos efetuados por ocupantes de um veículo, à margem de uma estrada que atravessa a Terra Indígena Cana Brava, da etnia Guajajara.

Ainda segundo a Funai, como forma de protesto, os indígenas bloquearam a rodovia BR-226 nos dois sentidos.

Nesta mesma região, 500 km ao sul de São Luís, capital do Maranhão, foi morto outro líder indígena no começo de novembro.

Paulino Guajajara, morto no território indígena Arariboia após sofrer uma emboscada de madeireiros, pertencia ao "Guardiães da Floresta", um grupo de mais de uma centena de indígenas guajarara, criado para proteger seus territórios de invasões no Maranhão, onde são frequentes os confrontos por terras.

"A Polícia Federal já enviou uma equipe ao local e irá investigar o crime e a sua motivação. Vamos avaliar a viabilidade do envio de equipe da Força Nacional à região. Nossa solidariedade às vítimas e aos seus familiares", afirmou no Twitter o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, que lamentou o atentado.

"Quem será o próximo?"

"Até quando isso vai acontecer? Quem será o próximo?", escreveu no Instagram a líder indígena Sonia Guajajara, coordenadora da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) e que está em viagem pela Europa para denunciar as políticas do presidente Jair Bolsonaro.

Desde antes de assumir o posto, em 1º de janeiro, o presidente de extrema direita Jair Bolsonaro dizia que não permitiria novas demarcações de terras indígenas e defende a exploração de recursos naturais em reservas.

Segundo a ONG Survival International, que acusa as autoridades brasileiras de não terem vontade de proteger terras indígenas, dezenas de Guajajara foram assassinados no total.

As invasões de terras indígenas têm aumentado este ano, segundo dados do Conselho Indigenista Missionário (CIMI), vinculado à Igreja Católica e que elabora informes anuais sobre a violência contra os povos originários do Brasil.

Entre janeiro e setembro de 2019, o CIMI registrou 160 invasões de traficantes de madeira ou garimpeiros ilegais em terras indígenas, um aumento de 44% em relação aos incidentes registrados em todo o ano de 2018.

No ano passado, CIMI reportou 135 assassinatos de indígenas em Brasil, 25 a mais que em 2017.

Fonte: RFI

Próxima notícia

Dê sua opinião: