Olhe Direito!

Silvio Leite e as árvores coloridas


Floradas

Floradas Foto: Divulgação

Quem acompanha diariamente o Silvio Leite, em mensagens nas redes sociais e por aplicativo, sabe que ele tem dedicado tempo e energia a uma pregação em favor do cultivo de árvores que podem deixar a nossa e outras cidades mais coloridas. Silvio tem se esforçado para que se cultivem mais ipês e flamboyants em nossas ruas, para deixar a nossa cidade verde um pouco mais cheia de amarelo e vermelho, branco e roxo.

Faz tempo que esse cidadão teresinense nascido na cidade potiguar de Martins, uma região serrana, se lançou em campanha pessoal pelo plantio de ipês e flamboyants – árvores que já existem em boa quantidade em nossa cidade, mas que na visão dele, Sílvio, devem ser ainda mais plantadas.

Silvio tem razão quando propõe essa opção por mais cores nas ruas da cidade e em áreas privadas. Faz bastante sentido que a arborização também busque a beleza das cores proporcionada pelas floradas.  Assim, embora não esteja eu à altura do esforço que faz o Sílvio Leite, tomo liberdade de avançar na ideia que ele cultiva com tanto amor.

Penso que é importante ao plano de arborização de nossa cidade o plantio dos ipês em todas as suas variedades – amarelo, roxo, branco, rosa – e do flamboyant, que tem variedades vermelha e amarela. Mas devemos ter em conta a existências de outras plantas que também produzem flores, como o angelim, o jacarandá mirim, ambas com floradas lilases; a pata de vaca, com flores que lembram uma orquídea; a quaresmeira, que é nativa da Atlântica e produz flores lilases; o mulungu, com flores vermelhas e que era comum por aqui; o bordão de velho, que tem flores brancas e avermelhadas, sendo dona de um perfume único e capaz de deixar quadras inteiras com um cheiro agradável.

A cruzada pessoal de Sílvio Leite por mais plantas com função também ornamental na arborização da cidade abre para todos uma oportunidade de discutir um tema que diz respeito à melhoria do nosso conforto térmico em ruas, avenidas e praças; embelezamento urbano pela variedade de plantas na arborização e, possivelmente, até mais saúde das árvores pela existência de maior diversidade de espécies plantadas.

O plantio de árvores que produzem flores na área urbana – e elas são muito mais dos que as que foram citadas até aqui – pode também estimular as pessoas a uma outra atividade: a meliponicultora, que é a criação das abelhas sem ferrão, em geral nativas. Essa atividade ajuda na preservação desses insetos, o que é bom para todo o ecossistema e ainda pode ser fonte de renda para as pessoas.

Vejo diante da quantidade de coisas boas que se pode obter com o cultivo de árvores que produzem flores que o Sílvio Leite está coberto de razão em seguir com a sua cruzada por mais ipês, flamboyants e outras plantas em nossa cidade. Uma ideia que é boa para Teresina e para toda e qualquer cidade. Digna de ser abraçada e aplaudida por todos.

Álvaro Mota

Álvaro Mota

Procurador do Estado e mestre em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Álvaro também é presidente do Instituto dos Advogados Piauienses.
Próxima notícia

Dê sua opinião:

Sobre a coluna

Álvaro Mota

Álvaro Mota

Procurador do Estado e mestre em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Álvaro também é presidente do Instituto dos Advogados Piauienses.

Fique conectado

Inscreva-se na nossa lista de emails para receber as principais notícias!

*nós não fazemos spam

Enquete