Olhe Direito!

O legado de Murilo Tavares de Melo


Murilo Tavares de Melo

Murilo Tavares de Melo Foto: Divulgação

Há razões de sobra para escrever sobre Murilo Tavares de Melo, o empreendedor pernambucano que morreu na segunda-feira, 3 de janeiro, aos 96 anos, e que, longe dos olhares da maioria dos piauienses, deu significativa parcela de contribuição para um dos setores mais dinâmicos da nossa economia, o agronegócio. Murilo era a mente criativa responsável pela fundação e continuado sucesso do Grupo Olho D’Água, que há quase 20 anos adquiriu e tornou muito mais dinâmica, produtiva e tecnologicamente mais avançada a usina de cana e álcool Comvap, em União, há 50 km de Teresina.

Murilo Tavares de Melo reunia todas as qualidades que se espera de um empreendedor: sorriso fácil, pontualidade, cumprimento do que acordava, inventivo, a ponto de ter desenvolvido em suas empresas, junto com seus colaboradores, diversas técnicas de cultivo e manejo da cana de açúcar, o que fez dele consultor e conselheiro de outros empreendedores e empresas do setor sucroalcooleiro.

Sua inteligência e inventividade eram credenciais grandes o bastante para que qualquer um que o conhecesse a ele se referisse sempre com Doutor Murilo. Muito mais do que um título, tratava-se de uma merecida e justa deferência a um homem formado em Agronomia pela Universidade de Viçosa (MG) e que sempre se guiou pelo estudo e a técnica para avançar num setor em que ele acreditava: a agricultura.

Sobre isso, no que posso medir com os olhos, testemunho sua ação na Comvap, adquirida pelo Grupo Olho D’Água em dezembro de 2002, liderando uma virada na empresa, através de um espírito inovador, que atuou para aumentar o rendimento da usina, sem perder de vista a responsabilidade socioambiental.  Foi nessa época que o conheci, atuando como advogado ao lado dos estimados colegas Filadelfo Barreto e Moisés Reis.

Doutor Murilo era um homem que se fazia sofisticado pela sua simplicidade. Nutria uma enorme honestidade pessoal e empresarial, possuía um notável espírito empreendedor. Era um fiel cumpridor de uma sabedoria popular baseada na fé, segundo a qual Deus ajuda a quem cedo madruga, porque às 5 da manhã já estavam de pé, às 7 chegava ao local de trabalho para jornadas nunca inferiores a 8 horas. Aliás, tinha hábitos de agricultor – acordava muito cedo e começava a trabalhar nas primeiras horas do dia e até nisso deixou lição, a que que se deve ser pontual para o trabalho e para as refeições.

Muito mais que capacidade de trabalho, foco e criatividade, parecia ele ser movido por desafios. Além da atuação no setor sucroalcooleiro, atuou no setor agroindustrial com a empresa de suco Maguary e de sorvete Kibon Sorvane – parte de uma série de empreendimentos que incluía ainda a Usina Central Olho D’Água de Pernambuco, a Usina Giasa, na Paraíba, além da participação como acionista dos Terminais Marítimos de Pernambuco S/A (Temape), no Porto de Suape, com as usinas Trapiche, Petribu e Ipojuca.

Com todo esse cabedal de ações empresariais, Doutor Murilo era um homem muito querido, respeitado e admirado no Nordeste. O Piauí, Pernambuco, o Nordeste e o Brasil perderam um de seus filhos mais queridos - um brasileiro que se movia pela fé na agricultura, no que brotava da terra com muito trabalho e conhecimento.

Também penso que perdi um amigo, feito na forja do trabalho, a partir de 2002. Doutor Murilo sempre foi muito afável e atencioso comigo e disposto a compartilhar experiências: cada conversa era uma aula de vida. Sigo na vida e no trabalho, imbuído do espírito deste grande brasileiro, que legou a mim também a amizade do seu filho Gilberto Tavares e do neto, meu bom amigo Luiz Fernando de Melo.

Álvaro Fernando da Rocha Mota é advogado. Procurador do Estado. Ex-Presidente da OAB-PI. Mestre em Direito pela UFPE. Doutorando em Direito pela PUC-SP. Presidente do Instituto dos Advogados Piauienses.

Álvaro Mota

Álvaro Mota

Procurador do Estado e mestre em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Álvaro também é presidente do Instituto dos Advogados Piauienses.
Próxima notícia

Dê sua opinião: