DIABETES

Piauí aumenta para 70% cobertura de canetas de insulinas na Atenção Primária

Antes, eram 50% de canetas e o restante na forma de frascos convencionais


Saúde amplia distribuição de insulinas para pacientes atendidos na Atenção Básica

Saúde amplia distribuição de insulinas para pacientes atendidos na Atenção Básica Foto: Divulgação

A partir deste mês, os municípios piauienses passarão a receber 70% da demanda total de insulinas na forma de canetas aplicadoras e agulhas para atenderem os pacientes portadores de Diabetes, tipo 1 e tipo 2, da Atenção Primária. Antes, eram 50% de canetas e o restante na forma de frascos convencionais.

Há várias vantagens para o paciente diabético com o uso das canetas aplicadoras, explica o coordenador do Componente Básico, da Diretoria da Assistência Farmacêutica da Secretaria Estadual da Saúde (Sesapi), Rhilder Reis.

 "Os pacientes que ainda recebem o frasco convencional poderão ser contemplados com a caneta aplicadora de insulina. Essa tecnologia da caneta traz muitos benefícios ao paciente, porque torna mais prático o manuseio e o transporte do medicamento, aumenta a adesão ao tratamento e favorece ao paciente, com o melhor controle da glicemia".

Rhilder explica ainda que o Ministério da Saúde sugere o público preferencial para receber as canetas e agulhas, que são os pacientes com 19 anos de idade ou menos ou com 45 anos ou mais. No entanto, afirma ele, cada município pode adequar seu público preferencial a partir da realidade local.

A Secretaria de Estado da Saúde organiza a logística para entrega das canetas aplicadoras e orienta os gestores municipais de saúde para que fiquem atentos a esta mudança para consolidar a nova política de dispensação das canetas de insulinas.

Os usuários do Sistema Único de Saúde devem procurar as unidades básicas de saúde para orientações e adequação do tratamento.

Anvisa recebe pedido de registro definitivo da CoronaVac

Saiba o que é e como tratar a Esclerose Múltipla, a doença que acometeu famosos

Farmacêuticos apontam falta de remédios nas redes pública e privada

Fonte: Ascom

Próxima notícia

Dê sua opinião: