TURVACINA

Elite brasileira corre para os aeroportos para se vacinar na Europa e EUA

Pacote do TurVacina está sendo vendido a 2.300 dólares


Elite lota aeroportos em busca da vacina e outros países

Elite lota aeroportos em busca da vacina e outros países Foto: Divulgação/É Assim

Dólar a R$ 5,50 e o Euro a R$ 6,60. 

Só mesmo para elite brasileira, que já encontrou um meio de buscar a imunidade contra a Covid-19.

Ela está correndo para os aeroportos e saindo mundo à fora, para o chamado mercado do “turismo da vacina”.

Como o Brasil ainda não sabe quando sua população será vacinada, a elite nacional está comprando pacotes para garantir o direito de tomar a vacina contra a Covid-19, em qualquer clínica da Europa.

A certeza de que garantirá a aplicação da primeira dose do imunizante está lotando aeroportos.  A segunda dose, a depender do dia D e da hora H, do Pazuello, e do ainda inexistente Plano Nacional de Vacinação, poderá ser aplicada aqui mesmo pelo SUS.

Pois é.  O velho e bom SUS condenado por grande parte dessa gente varonil.

Na Europa, o calendário de vacinação está mais avançado, graças as ações dos governantes que não trataram a doença pandêmica como uma gripezinha.

A história surgiu nas operadoras de turismo após correr a notícia que alguns Países, como Canadá e Reino Unido, poderiam disponibilizar vacinas para estrangeiros. Fora da Europa, essa mesma expectativa se criou também nos Estados Unidos.

Leia também: Taxa de eficácia geral da Coronavac é de 50,38%

                          Fisioterapeuta que atuava na linha de frente morre vítima da Covid-19 em Teresina

No último mês passado, jornais europeus e indianos também denunciaram a existência de agências de viagens que estavam oferecendo os pacotes “TurVacinas” para a Europa, Ásia e América do Norte.

Isso foi o suficiente para que a elite deste País corresse aos aeroportos. Muitos compraram da agência  Gem Tours & Travel, sediada em Mumbai. Ela anunciou um pacote turístico de vacina contra o coronavírus, tendo como destino os EUA, para “indivíduos de alto patrimônio líquido”, a partir de 174.999 rúpias (US $ 2.300).

Tudo isso gerou uma preocupação das autoridades comprometidas com a saúde pública, bem como dos cientistas que atuam incansavelmente no processo da vacina para todos.

Como é o caso do professor Jonas Lotufo Brant de Carvalho, epidemiologista e professor do Departamento de Saúde Coletiva da Universidade de Brasília (UnB). Disse ele, textualmente:

Essa movimentação é preocupante por conta da equidade. Não devemos deixar na mão do capital a decisão de quem vai se vacinar. O acesso tem que ser para quem mais precisa e não para quem pode pagar”.

E esse é o povo que diz que não toma vacina. Aqui, tá claro?

Fonte: É Assim

Próxima notícia

Dê sua opinião: